Albuquerque diz que as tragédias como a do Caniço não podem depender nem de uma pessoa nem de amadorismos

O Governo Regional assinou contratos-programa com os Bombeiros.

O presidente do Governo Regional esteve hoje presente na cerimónia de assinatura do Protocolo de Cooperação com as Associações de Bombeiros Voluntários da Região Autónoma da Madeira, no Quartel dos Bombeiros Voluntários Madeirenses, um ato público que aproveitou para relevar o seu regozijo “sentido” pela forma como a Proteção Civil demonstrou a sua capacidade operacional, o seu humanismo e a sua eficácia, além de que foi evidenciado um profissionalismo que está ao nível de qualquer país europeu. Aquando do trágico acidente que ocorreu no Caniço, recebi uma mensagem do presidente do presidente da Comissão Europeia manifestando o seu agradecimento às forças de socorro da Madeira, pela forma rápida e eficaz com que socorreram as vítimas do acidente”.

Albuquerque reforça a ideia que “hoje, temos na Madeira, ao nível da Proteção Civil e do socorro, profissionalismo, interação, coordenação e competência. E isso é decisivo. Hoje em dia, este tipo de acontecimentos não podem depender nem de uma pessoa nem de amadorismos, depende sim dos meios, da coordenação, formação profissional e capacidade dos profissionais. Não é uma questão emocional, é uma questão de competência e eficácia. Aquilo que acontece quando ocorre um acidente, o que a sociedade espera é que as vítimas sejam socorridas o mais rapidamente possível e com competência, foi isso que aconteceu na Madeira. E as próprias vias rápidas, que muitas vezes são vilipendiadas em certos setores políticos, são essenciais para a operacionalização e para a capacidade de resposta, aquela variante do Caniço foi muito importante e é resultado dos investimentos que temos feito e da seriedade com que as questões da Proteção Civil têm sido tratados”.

O presidente do Governo afirma ser importante fazer uma retrospetiva sobre o que era o socorro civil há vinte ou trinta anos e o que é hoje, prometendo que a aposta na Proteção Civil e na prevenção é para continuar, fazendo alusão aos contratos hoje assinados com os bombeiros, que “dizem apenas respeito à parte funcional, sendo que na sequência dos contactos estabelecidos com o presidente da Federação dos Bombeiros, fomos alertados para o estatuto social do bombeiro e para a necessidade de canalizar verbas para algumas corporações, exemplo do reforço substancial de verbas para os Bombeiros do Porto Santo. E vamos acabar este ano com investimentos, no âmbito do POSEUR, de 3,5 milhões de euros em material e só para funcionamento 2,5 milhões”.

Nesta oportunidade, o presidente do Governo agradeceu aos bombeiros e à Proteção Civil a intervenção no caso da tragédia do Caniço e revelou que hoje, terça-feira, reuniu com o SESARAM manifestando o seu reconhecimento pelo trabalho desenvolvido na prestação de cuidados de saúde, com o profissionalismo revelado na intervenção.