Júdice faz “pergunta sem resposta” na SIC sobre processo disciplinar a Joaquim Sousa

O comentador da SIC-Notícias, José Miguel Júdice abordou hoje o “caso” do professor Joaquim Sousa, da Escola do Curral das Freiras.

Com base num editorial da diretora do “Público”, Bárbara Reis, Júdice dirigiu a “pergunta sem resposta” (nome da rubrica) aos sindicatos de professores.

“Fui à internet e não vejo uma única reacção de nenhum dos 20 sindicatos de professores que há em Portugal”, referiu José Miguel Júdice.

“A minha pergunta é muito simples, é para os sindicatos: Não leram? Acham que isto não interessa? Ou acham que quem quer ser um ‘outlier’, quem quer ser diferente, quem quer mudar as coisas tem que ser ‘morto’ rapidamente para dar bons exemplos?”, questionou.

“Porque é que não o protegeram, porque é que não lutaram, porque é que não o defenderam, não fizeram greve?”, perguntou.

Joaquim Sousa foi elogiado por provocar algumas “lesões” no “comunismo burocrático”, o que lhe valeu um processo disciplinar “kafkiano” (comentou a jornalista).

Resultado: o prémio por colocar a escola do Curral no ranking nacional foi a “sanção indignificante” de proibição de progressão na carreira e ficar seis meses sem ordenado.

“É perigossíssimo fazer milagres em Portugal… sem a ajuda de Nossa Senhora de Fátima”, comentou José Miguel Júdice.