MDM-Madeira assinala o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres

O MDM-Madeira emitiu uma nota na qual considera pertinente assinalar o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, que se comemora a 25 de Novembro e que foi instituído pela ONU, em 1999. A data relaciona-se com a morte brutal de três mulheres, “as irmãs Mirabal”, Tereza, Patrícia e Minerva, que foram presas, torturadas e assassinadas em 1960, a mando do ditador da República Dominicana Rafael Trujillo.

Mais tarde, em 1981, o dia foi declarado como Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher, no Primeiro Encontro Feminista da América Latina, como homenagem às “ mariposas”, o cognome que aquelas três mulheres utilizavam em actividades clandestinas em oposição à ditadura do seu país.

Esta data, explica o MDM, passou então a ser utilizada para assinalar e alertar em vários países, para todas as situações violência contra as mulheres, desde maus tratos físicos e psicológicos a casos de abuso ou assédio sexual, entre outros, até porque em média, no mundo, incluindo a Europa, uma em cada três mulheres é vítima de violência. No que concerne à violência doméstica, em Portugal, 85% das vítimas de violência doméstica em Portugal são mulheres, e o mesmo fenómeno também se estende à nossa  Região, alerta Sílvia Vasconcelos, a coordenadora regional do MDM.

“No caso da violência doméstica na RAM, a tendência deste tipo de criminalidade tem contrariado o restante criminalismo na nossa Região, ou seja, tem aumentado e surgido novos casos”, denuncia.

Encontrar factores promotores ou potenciadores deste quadro de violência doméstica na Madeira não difere da realidade do resto do país, tendo as drogas, álcool e outras tensões de ordem social e económica encabeçado os agentes causadores.

O MDM-Madeira defende, pois, a constituição de uma uma nova estratégia regional, que seja funcional e efectiva para travar esta “violação dos direitos humanos” que é também “uma forma de discriminação contra as Mulheres” e contra a humanidade.