Trabalhadores pedem justiça para quem nela trabalha com hino nacional e buzinadelas

Trabalhadores judiciais greve
Os trabalhadores judiciais realizaram plenário junto ao Tribunal.
Trabalhadores judiciais camisola
É isto que os trabalhadores pedem.

Entoando o hino nacional, com buzinadelas pelo meio, os 80 dos 130 trabalhadores judiciais que comporta o quadro de funcoionários na Região, estão reunidos junto ao Tribunal Judicial do Funchal. O objetivo é nacional, onde à mesma hora, no Terreiro do Paço, decorre idêntica manifestação de luta, um plenário, em defesa das reivindicações, num contexto de discussão de Orçamento de Estado.

Pedro Dias, presidente da direção regional do Sindicato dos Funcionários Judiciais, confirma que “fazia sentido realizar este plenário, hoje, numa altura em que se discute o Orçamento de Estado, tendo como objetivo a retoma, urgente e imediata, das negociações que se prendem com o nosso estatuto sócio profissional”.

Aquele responsável sindical acrescenta que, neste pacote de reinvidicações, de âmbito nacional e, por isso, com reflexo também na Região, está, ainda, a importância de retomar a negociação da tabela remuneratória e ao regime de aposentação, para além da progressão na carreira, uma vez que, para nós, também houve congelamentos e reivindicamos, igualmente, os nove anos, quatro meses e dois dias, medida que deve ser alargada a toda a Função Pública”.

Pedro Dias diz que os trabalhadores não pedem mais do que aquilo a que têm direito e lembra que “se fomos bons para fazer alguma coisa em favor da Nação, em tempos difíceis, também agora chegou a vez da Nação fazer algo pela dignidade dos seus funcionários públicos”.

Relativamente ao número de funcionários, a Madeira tem carências. O último movimento deixou em aberto algumas situações que “obrigatoriamente devem ser repostos. Agora, pensamos que, não sendo já possível resolver esse assunto ainda este ano, pensamos que a entrada de novos funcionários deve ocorrer no início do próximo ano”, reforça o dirigente sindical.