Cafôfo elogiou papel dos bombeiros do Funchal no seu 130º aniversário

Decorreu esta manhã na Praça do Município a cerimónia comemorativa do 130º Aniversário do Corpo de Bombeiros Sapadores do Funchal O executivo de Paulo Cafôfo marcou presença. Na oportunidade, o edil anunciou que “pela primeira vez desde 2008, está desbloqueada a mobilidade intercategorias nesta corporação, pelo que os nossos Bombeiros poderão finalmente ser promovidos, tal como é do seu inteiro direito, ao escalão que lhes é devido pela sua experiência, mérito e pelos anos de serviço prestados”.

“Este tem sido o nosso trabalho ao longo dos últimos anos: desbloquear soluções para os problemas da cidade e dar à Protecção Civil a importância que ela merece. Recuperar uma década de atraso, e ganhar a próxima década”, afirmou.

Para Cafôfo, os 130 anos da corporação “demonstram bem a dimensão do papel que os Bombeiros do Funchal desempenham para esta cidade (…)”.

O orador elogiou os bombeiros por terem estado “sempre à altura” das provações que a cidade enfrentou nos últimos cinco anos. “Talvez pudéssemos ter feito ainda mais, mas é com um grande sentido de comprometimento que posso dizer aqui hoje que nunca, nunca ignorámos aquelas que eram as vossas dificuldades e as vossas necessidades. Nunca olhámos para o lado, nunca desvalorizámos, nunca instrumentalizámos politicamente os bombeiros”, asseverou.

Paulo Cafôfo referiu, de seguida, que “desde 2014, o investimento nos Bombeiros e na Protecção Civil Municipal ultrapassou os 3,5 milhões de euros”, considerando, ainda assim, que 2018 “tem sido um ano definitivamente especial.”

Este ano, a Câmara Municipal do Funchal “concretizou a contratação de 31 novos bombeiros, pondo fim a um obstáculo com 17 anos. A contratação destes novos profissionais era um desafio, obrigatório e incontornável”, disse.

O presidente recordou também que “ainda no mês passado, entregámos à corporação a primeira de quatro viaturas que vão reforçar, este ano, a operacionalidade dos Sapadores do Funchal”, bem como a atribuição do tarifário social no fornecimento de água aos bombeiros funchalenses e a nomeação definitiva de um Comandante para a corporação, outra situação que estava por resolver há uma década.