Corveta ao fundo hoje no Cabo Girão

Corveta Afonso Cerqueira B
A Corveta Afonso Cerqueira afunda-se hoje no Cabo Girão para a criação de um recife artificial.

É já esta tarde que ocorre a cerimónia de afundamento da Corveta Afonso Cerqueira para criação de recife artificial no Parque Marinho do Cabo Girão. Será, sensivelmente, entre as 14.30 e as 16 horas. Uma equipa de mergulhadores da Marinha encontra-se no Funchal a preparar a fase final da complexa operação de afundamento do navio.

O ex- NRP Afosno Cerqueira (F488) foi a corveta da classe “Baptista de Andrade”, sendo que desta ainda se encontra no ativo o BRP João Roby. A antiga corveta, que agora será afundada na Região, entrou ao serviço da Marinha em 28 de junho de 1975 e a sua vida operacional terminou em 11 de março de 2015 com o arriar dos simbolos nacionais.

A Marinha deu conta das ações preparatórias preparatorias, como por exemplo o reboque do navio desde o porto do Funchal até ao local de afundamento, “procedendo-se de seguida aos trabalhos necessarios para o afundamento até a hora estimada para a sua execução. “Imediatamente apos o afundamento serão efetuados mergulhos por uma Equipa de Mergulhadores Sapadores da Marinha, para verificarão das condições de segurança. Durante os dias 5 e 6 de setembro serão efetuados trabalhos subaquáticos pela empresa TECNOVIA, para a operacionalização do recife artificial”.

Como medidas de segurança de pessoas e bens, de acordo com a mesma informação, “na area de jurisdição marítima, são estabelecidas interdições a toda a navegação num raio de 900 metros centrado na posição de afundamento, exceto navios e embarcações envolvidos nas operações, desde o momento em que o navio se encontrar fundeado até as 23:59 do dia 4 de setembro. Haverá ainda interdição a toda a navegação num raio de 500 metros centrado na posição de afundamento, durante todo o periodo dos dias 5 e 6 de setembro”.

É proibida, ainda a permanência “de pessoas nas fajãs da Bebras e Cabo Girao no periodo das 07:00 do dia 4 de setembro até ao afundamento completo do navio. Interdito, ainda, o sobrevoo a uma altitude inferior a 4000 Pés, num raio de 1800 metros centrado na posiçãoo de afundamento, no periodo compreendido entre as 07:00 e as 18:00 de 4 de setembro, com exceção de meios aéreos dedicados a operação e de Proteção Civil.

Uma equipa sde mergulhadores da Marinha encontra-se na Madeira para acompanhar e supervisionar as operações, com um trabalho, nos últimos dias, de “definição e execução de um plano de aberturas no casco do navio com recurso a cargas explosivas e, posteriormente, realização dos primeiros mergulhos para garantir que o navio apresenta as condições de segurança para poder ser visitado pela comunidade subaquática.