Albuquerque traça Madeira de sucesso com “mais crescimento, mais emprego, menos impostos, mais rendimento” e “Hospital à espera de Lisboa”

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Miguel Albuquerque esteve hoje no Parlamento para elencar um conjunto de números que pretendem expressar o que considera uma “boa governação”. Foto Rui Marote
Assembleia Governo
O Governo está hoje na Assembleia para o debate mensal. Foto Rui Marote

Mais investimento, mais emprego, mais proteção Social, menos impostos (redução IRS, IRC, ISP, IVA da restauração), mais rendimento disponível para as Famílias, mais férias. Economia a crescer há 59 meses. O rácio da Dívida Pública sobre o PIB era de 108,6% na Região Autónoma, enquanto ao nível do País a mesma ascendia a 125,7% do PIB. Criação líquida de 9300 novos postos de trabalho desde o 1º trimestre de 2015. Enfermeiros, professores, funcionários públicos, estudantes, todos beneficiados, obras em curso, novo Hospital só à espera de Lisboa, “ferry” a navegar, cargueiro a operar. E JM com privatização de sucesso, só deu poupança ao Governo.

Foi esta a tónica que dominou, hoje, o discurso de Miguel Albuquerque na Assembleia Legislativa Regional, no âmbito do debate mensal, quando estamos a poucos dias da Festa do Chão da Lagoa, uma concentração anual do PSD, o partido que suporta o Governo Regional e que este ano contará com a presença do líder nacional Rui Rio.

Albuquerque Assembleia
Albuquerque “ataca” o Governo de “Esquerda em Lisboa” ereleva “governação social democrata” na Madeira. Foto Rui Marote
Rui Barreto
Também hoje, no Parlamento, o recém eleito líder do CDS/PP Madeira, Rui Barreto, viu sentar-se ao seu lado José Manuel Rodrigues, que depois da eleição assume lugar de destaque no partido. Foto Rui Marote

Mas em matéria de debate, o presidente do Executivo fez uma intervenção pautada pelos números e pela governação assente em estratégias de resultados positivos. Resumidamente, redução da dívida, menos carga fiscal aos contribuintes, mais rendimento para as famílias, um “oásis” que teve claramente dois objetivos: apontar baterias ao Governo Central, do PS com apoio da esquerda; Relevar a governação da Madeira, do PSD, olhando no horizonte as eleições de 2019.

Numa perspetiva, Albuquerque disse que “o Governo Central das esquerdas teve, em 2016 e 2017, o investimento público mais baixo da UE, abaixo dos 1,5% do PIB, pior do que nos anos da Troika, um terço da média comunitária, com as consequências desastrosas a nível da degradação das infraestruturas e funcionamento dos serviços essenciais. Noutra perspetiva, disse que “este Governo Social-Democrata e autonomista, para grande desapontamento dos nossos adversários políticos, também cumpriu naqueles que eram alguns desafios mais difíceis e paradigmáticos do nosso programa. É aqui que entra o JM, as rendas das PPP rodoviárias com “redução impressionante”, o subsídio de mobilidade para o Porto Santo, um “desafio superado” e o cargueiro, uma “promessa cumprida”.

Foi neste desenrolar da Madeira em velocidade cruzeiro a caminho do futuro que Miguel Albuquerque considerou que “as Finanças Públicas da Região estão consolidadas e os saldos orçamentais têm vindo sistematicamente a superar as metas; Foi na nossa Região que assistimos ao maior crescimento do PIB por capita (+13%) em comparação com os Açores (+10%) ou o Continente (+12%); Enquanto o Governo Central, o tal que “ia reverter a austeridade”, aplicou em 2017 a maior carga fiscal sobre os cidadãos desde há 30 anos, 42 Mil Milhões de Euros, cerca de 35% do PIB”.

Em matéria de Saúde, um setor que tem sido alvo de críticas e que já vai no terceiro secretário, com sucessivos acontecimentos que colocam o sistema sob pressão, da população e da oposição, Miguel Albuquerque veio ao Parlamento afirmar que, também nesse domínio “o Governo está a cumprir”. E elencou pontos que formam um cenário de êxito, assente em melhores serviços, mais médicos, mais enfermeiros, mais assistentes operacionais. Mas há mais:

“Reabilitamos os Centros de Saúde de Machico, Caniçal, São Jorge, São Roque do Faial e Porto Santo e abrimos o novo Centro de Saúde de Câmara de Lobos, um investimento de 8 Milhões de Euros; Vamos reabilitar os Centros de Saúde do Arco da Calheta, Camacha, Curral das Freiras e o Centro de Saúde da Nazaré será ampliado; Foi lançado concurso através da Misericórdia para a construção do novo Centro de Saúde da Calheta; Prosseguem as obras no Bom Jesus e as obras no Bloco de Obstetrícia do Hospital Dr. Nélio Mendonça, bem como a recuperação da fachada e cobertura no Hospital dos Marmeleiros; Temos 13 Unidades de Saúde do SESARAM certificadas internacionalmente; Abrimos a primeira Unidade de Cuidados de Saúde Primários na Ponta do Sol, abarcando toda a população; Temos uma taxa de cobertura na RAM de Cuidados de Saúde Primários de 70% e com a contínua contratação de mais médicos de família vamos alargar essa percentagem”.

E, claro, o novo Hospital: “Da nossa parte, temos tudo preparado para abrir o concurso internacional para a construção do Novo Hospital da Madeira – verba, projecto e expropriação. Aguardamos apenas que o Governo da República cumpra o que prometeu”.

O presidente do Governo mantém o nivelamento da governação por cima, em todos os domínios, sendo que no que toca às acessibilidades, apontou “investimentos muito importantes, como o Túnel da Madalena do Mar, a Variante do Caniço, a Via Rápida para o Estreito e a Ligação São Vicente/Boa Ventura. E prosseguem as obras na Via Expresso Fajã da Ovelha – Ponta do Pargo e Cota 500 – Campo do Andorinha.

Na Habitação “estamos a investir mais de 10 Milhões de Euros na reabilitação dos nossos Bairros Sociais”.