Ninguém compra a casa onde funcionou a Provedoria, mesmo com a Assembleia da República a perder dinheiro

O Funchal Notícias já aqui alertou para o imóvel, em Santo António onde, entre janeiro de 2000 e junho de 2011, funcionou a Provedoria de Justiça na Madeira.

Hoje, o Jornal I diz que a casa está à venda por 400 mil euros quando a proprietária, a Assembleia da República, comprou o imóvel, há 18 anos por mais de 486 mil euros.

Diz o I que a Assembleia da República abriu em maio último uma nova hasta pública para vender o prédio. O preço base de licitação é agora de 400 mil euros, mais de 86 mil euros abaixo do valor que pagou em 2000.

A moradia, de traça típica de quintinha madeirense, tem 334 m2. Tem três salas e quatro quartos. Tem estrutura em pedra de basalto com pavimentos em travejamento de madeira onde assenta o soalho em casquinha bem conservada, vãos exteriores e interiores com caixilharia tapa-sóis e portadas em madeira, cobertura em telha, sendo os exteriores em calçada de pedra rolada.

Além da área habitacional, o imóvel tem uma zona exterior de 667 m2 e uma garagem com 30 m2.

Desde 2011 que a propriedade está fechada e o parlamento já tentou vender, sem sucesso, em 2013, por 600 mil euros. A hasta pública foi declarada deserta.Agora, o conselho de administração do parlamento nacional volta ao mercado, retirando cerca de 200 mil euros ao valor base de 2013.O imóvel está fechado, a degradar-se, sem qualquer manutenção.