Más condições da Consulta do Adolescente no Bom Jesus motivam voto de protesto do PS-M

Centro de Saúde Bom Jesus 2
A Consulta do Adolescente é feita num espaço sem condições, acusam os socialistas madeirenses.

O Grupo Parlamentar do PS-Madeira deu entrada, na Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, a um voto de protesto pelas más condições físicas do espaço da Consulta do Adolescente no Centro de Saúde do Bom Jesus e contra a morosidade nos trabalhos de requalificação deste espaço.

Esta informação foi hoje veiculada pelos serviços de comunicação do partido, lembrando que “a Consulta do Adolescente ou Atendimento ao Jovem, em funcionamento desde 1989, é um serviço multidisciplinar composto por uma equipa de enfermagem (sendo um dos objetivos dar formação nas escolas e instituições com o intuito de informar para a prevenção), uma equipa de psicopedagogos, três médicas – consultas específicas de adolescente, uma assistente social, uma nutricionista, uma médica de Saúde Infantil e três terapeutas da fala. O atendimento faz-se durante doze horas por dia, entre segunda e sexta, e está disponível para jovens entre os 12 e os 21 anos”.

O PS-M diz que “este Centro de Saúde está em obras há muitos anos e é aquele que mais utentes consulta. O teto não está tapado e, por isso, quem lá trabalha está em contacto permanente com substâncias químicas, pós e óleos. Os fios de eletricidade estão enrolados na eminência de foco de incêndio, não há arejamento, isto é, não há uma janela ou uma porta por onde entre ar, e daí a falta de condições de trabalho deste serviço. A secretaria não tem privacidade, todos ouvem e sabem os assuntos que nela são tratados, porque o espaço é exíguo e partilhado”.

De acordo com a deputada Sofia Canha, “as problemáticas dos jovens são muito variadas e podem apresentar diferentes graus de gravidade, sendo que o recurso a esta consulta pelos jovens depende muito do seu grau de confiança nos serviços que são proporcionados, tanto pelos profissionais que os acompanham, como pelo conforto e privacidade das instalações. «E é precisamente este aspeto que tem falhado nos últimos anos», afirma a parlamentar socialista.