Carlos Pereira considera falsa denúncia de aliciamento ao guarda-redes Amir e diz que a Justiça é lenta

Carlos Pereira
Carlos Pereira critica a morosidade da Justiça na solução para estas “falsas denúncias”.

O presidente do Marítimo considerou “falsa” a denúncia que deu entrada na Procuradoria da República, na quarta-feira, divulgada pelo jornal “A Bola”, acusando o F. C. Porto de aliciamento ao guarda-redes “verde-rubro” Amir Zadeh. O Porto é o próximo adversário do Marítimo, joga domingo às 18 horas nos Barreiros naquele que é um encontro importante para a caminhada portista a caminho do título da I Liga.

Carlos Pereira nega qualquer situação menos transparente, tanto na tentativa de corromper Amir, como de resto também a auma alegada dívida da equipa nortenha devido à tranferência de Marega. O presidente maritimista, em declarações veiculadas pela SIC, considera que “não terá efeito esta falsa notícia que foi lançada sobre o Amir, é um rapaz calmo, sereno e merece toda a nossa confiança. Esta notícia não tem qualquer influência na equipa”.

O presidente “verde-rubro” lamenta que “a Justiça tarde em atuar, dando origem a estes falsos comentários, responsabilizando comentadores e jornais. Mas não, a culpa não é dos comentadores nem dos jornais, a culpa é da Justiça que não é célere para resolver assuntos que deveriam ser facilmente identificados”.

A SIC refere, ainda, que uma fonte ligada ao guarda-redes do Marítimo adianta que Amir não recebeu qualquer contacto do Porto.

O Porto desloca-se este fim de semana à Madeira, onde domingo, pelas 18 horas, nos Barreiros defronta o Marítimo em jogo da 33ª jornada da I Liga, um jogo muito importante para a equipa do norte do País, que lidera a competição com 79 pontos, apenas mais dois do que o Benfica, que recebe o Tondela na Luz.

O Marítimo ocupa o sexto lugar com 44 pontos, os mesmos pontos que tem o Rio Ave, que recebe o Chaves em Vila do Conde.