Católicos madeirenses convidados a ajudar os mais necessitados

Quaresma
Na Sé do Funchal, no dia 14 de fevereiro, D. António Carrilho presidiu à missa de Quarta feira de Cinzas.

Sílvio Mendes

Como refere o site da Diocese do Funchal «a nossa Renúncia será destinada em partes iguais para o Fundo Social Diocesano e para a reconstrução das casas dos cristãos no Iraque.

Ouvindo as necessidades emergentes, achamos por bem que a renúncia desta Quaresma fosse canalizada para as mais de 12 mil famílias cristãs da Planície de Nínive que em 2014 foram perseguidas e por isso, forçadas a fugir para uma região vizinha, Erbil. Hoje, embora passados três anos, as suas casas, bem como centenas de Igrejas, escolas, hospitais, permanecem destruídas.

Através da Fundação Ajuda a Igreja que Sofre (AIS), queremos que a nossa Renúncia Quaresmal, integre a campanha de reconstrução e construção de aldeias, de famílias e de projetos pessoais. Neste espírito fraterno de partilha, o que será renunciado por nós, será para estes nossos irmãos sinal de vida nova, o cumprimento da promessa de que com Cristo venceremos aquilo que nas nossas vidas é escuridão».

O anúncio do destino desta renúncia foi feito por D. António Carrilho, BIspo do Funchal, na homilia da Missa de Quarta-feira de Cinzas, celebrada na Sé do Funchal na quarta-feira 14 de fevereiro de 2018.

Os ofertórios das missas celebradas em todas as igreja e capelas da Diocese do Funchal no fim de semana 24 e 25 de março serão para aquele objetivo.

De referir que no dia 25 de março é celebrado o Domingo de Ramos que dá início à Semana Santa. A renúncia quaresmal consiste na privação de determinados bens que não são essenciais à vida quotidiana, revertendo as verbas para ajudar quem mais necessita.

A Diocese do Funchal criou um Fundo Social que se destina a ajudar “famílias em situações especiais de pobreza”.
Fundada em 1947 pelo Padre Werenfried van Straaten, inspirado na mensagem de Fátima, a Fundação AIS (Ajuda à Igreja que Sofre) é uma organização dependente da Santa Sé, tendo por objetivo apoiar projectos de cunho pastoral em países onde a Igreja Católica está em dificuldades.

No início, o trabalho da AIS consistia apenas em auxiliar os refugiados da Alemanha de Leste que fugiam da ocupação comunista, mas rapidamente se espalhou pelos campos de refugiados da Europa e da Ásia, pelas Repúblicas Populares comunistas, pela América Latina e pela África.

Os desafios são múltiplos: totalitarismo de esquerda ou de direita, fanatismo religioso, multiplicação de seitas, materialismo, falta de sacerdotes, etc.

A Fundação esforça-se por responder aos apelos numerosos e urgentes que lhe chegam a todo o momento

É missão da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre procurar que a Igreja em geral esteja informada sobre a Igreja perseguida e que esta última tenha condições para realizar a sua missão de evangelização.

Os destinos e resultados das mais recentes renúncias quaresmais na Diocese do Funchal foram:

2012 – Lar de Idosos e Crianças – Angola – 19.189,14 €

2013 – Fundo Social Diocesano – 17.593,91 €

2014 – Apoio à construção da Catedral do Mindelo – 15.911,05 €

2015 – Fundo Social Diocesano e Fundação Fé e Cooperação, para Projeto “+ Criança”, na Guiné Bissau – 20.183,79 €

2016 – Cristãos perseguidos da Síria e do Iraque – 14.452,79 €

2017 – Fundo Social Diocesano e Sudão do Sul – 9.000,00 €