Fagundes Vasconcelos expõe em breve na Galeria dos Prazeres

Galeria dos Prazeres

A nova exposição do artista plástico madeirense tem o curioso título de “O inferno só pode ser um beco”, e realizar-se-á em breve na Galeria dos Prazeres. A inauguração está prevista para 26 de Janeiro, às 19 horas.

A mostra, declaradamente, pretende “recriar e fragmentar um universo, este, quase singular no meu entender, um reforço entre paredes de terra, um Caminho, percurso, uma travessa curta com uma oblíqua torta desviada de tudo o resto.”

Segundo informa a organização da exposição, trata-se de uma mostra de desenhos monocromáticos de pequeno formato, quase toponímicos, que sobre a parede apresentam uma composição geral em grande escala.

Este criador refere ainda que a “montanha aparece praticamente incinerada. No lugar, com degraus, portas e cancelas, amanha-se mais um quotidiano indistinto persistente de dizeres de falares de maldizeres, um parlatório, “o beco só pode ter saída”—par(t)ilha! A ilha que pode ser Escura, estreita e curta, e às vezes sem partida, redonda ou oval…”

Na memória descritiva da exposição, a derradeira palavra que surge é “Betesga”, significando rua estreita ou beco sem saída.

A exposição ficará patente até ao próximo dia 1 de Abril de 2018.

Marco Fagundes Vasconcelos é licenciado em artes plásticas/pintura. Um percurso pouco linear tem levado o artista a experimentar alguns campos de expressão, diversas formas artísticas e até diferentes actividades e intervenções. Na sua obra, é possível encontrar instalação (em espaços desactivados), objectos (transformados e reciclados), pintura, desenho e, mais recentemente, performance, esclarece um comunicado de imprensa.

Expõe regularmente desde 1997. Entre as exposições individuais destacam-se: ”Eu,Chang and Eng” no MUDAS – Museu de Arte Contemporânea da Madeira (2017); ”Entre Pólos”, exposição e ilustração, Palácio Quintela, Lisboa, Magnética Magazine (2013); “Steaks drawings and other stories”, Museu de Arte Contemporânea do Funchal (2012); “Mi tio és una farsa”, desenho, no Porto, espaço Cirurgias Urbanas (2012); “Yo no soy tonta como una puerta”, desenho, Lisboa, espaço Geraldine (2011); “Entre Pólos”, ilustração, Pavilhão 28, Hospital Júlio de Matos/Magnética Magazine, design (2010); “In Hyde Park”, pintura, Porto, espaço Cirúrgias Urbanas (2009); “ROTFLOL”, Museu de Arte Contemporânea do Funchal; “Somewhere in Transylvania”, pintura, Ilha da Madeira, espaço Quinta da Rochinha (2008); “Against the wall”, instalação, Funchal, espaço Arcadas do Pelourinho (enquanto espaço em construção); “All Paper”, instalação/pintura, Funchal, Armazéns Rua da Alfândega (2005); “Intervenções efémeras”, Funchal, Palácio de São Lourenço e “Women women women”, instalação/desenho, Galeria Edicarte (2001).

Das exposições colectivas, destaque para a participação nos Ateliês Abertos 39/93, Lisboa, em colaboração com o Atelier de Cristina Ataíde (2010); ”Mi tia és un hombre”, Galeria Nuble-Santander/Espanha e “Bioarte 10+1” arte urbana.

Este artista conta com alguns prémios: Bienal de Vila Nova de Cerveira com a obra “Parade of Vanity”, pintura (2009); “Marca Madeira”, pintura, no Madeira Tecnopólo-Funchal (1997) e “III Art Student”, desenho, na República da Macedónia (1995 e 1997).