Aventura, ciência e luxo: Yersin, um navio extraordinário

O Yersin atracado no porto do Funchal.

Fotos: Luís Rocha

Chama-se Yersin e está actualmente atracado no molhe da Pontinha. A imprensa regional tem referido que se trata do iate do príncipe Alberto do Mónaco, mas não é esse o caso. Este é um navio único no mundo e pertence ao milionário francês François Fiat. Que, por acaso, se encontra na Madeira acompanhado de múltiplos membros da sua família. Tendo chegado no Yersin, foi hoje almoçar a Santana e deverá, segundo o FN apurou, alojar-se agora no hotel Reid’s apenas durante um ou dois dias, antes de regressar aos seus afazeres.

François Fiat é um milionário diferente. Investiu uma fortuna na construção deste navio, denominado a partir do bacteriologista e médico do século XIX, Alexandre Yersin, que deixou o laboratório de Pasteur em Paris em 1890 para viajar pelo sudoeste da Ásia, realizando trabalho de fulcral importância no combate à peste bubónica e a outras doenças, que ajudaria a salvar milhares de vidas.

Fiat não queria apenas um iate convencional, para se exibir. Queria um navio que se pudesse assumir como um digno sucessor do famoso Calypso de Jacques Costeau, que, com o príncipe Alberto de Mónaco – o “príncipe navegador”, a personagem de banda desenhada Tintin e o próprio Yersin, foram fonte de inspiração para o milionário. Ele almejava criar um barco capaz de deslocar-se a qualquer zona do globo, preparado para enfrentar os mares mais difíceis, desde as tórridas temperaturas do Equador aos frios cortantes do Ártico, e que fosse dotado não só de algum conforto a bordo, mas sobretudo de tecnologias de ponta para o desenvolvimento de pesquisas científicas. Queria também que o navio que imaginava pudesse ser o mais ecológico possível, de modo a ter o mínimo impacto nos ecossistemas sensíveis que visita. Assim, este barco está habilitado a desenvolver trabalho de investigação científica mesmo dentro das mais restritas reservas naturais.

François Fiat teve dificuldade em encontrar um estaleiro que estivesse disposto a abraçar o desafio altamente exigente de construir este navio exactamente para corresponder às exigências de quem o encomendava. Fiat acompanhou os trabalhos de construção a par e passo, principalmente na fase final. O navio acabou por ser construído pelos estaleiros Piriou, na Bretanha.

Todos estes dados podem ser aprofundados num interessante artigo da Boat Magazine, do qual deixamos o link: https://www.boatinternational.com/yachts/editorial-features/yersin-the-explorer-yacht-equipped-to-protect-the-planet-as-well-as-explore-it–29403

O navio está dotado de motores eléctricos diesel, os quais consomem muito menos do que motores normais, e o Yersin está dotado de toda a sorte de características e credenciais ecológicas e sustentáveis. O navio pode permanecer até 50 dias no mar com 40 tripulantes a bordo, e dez dias sem descarregar quaisquer lixos ou resíduos.

Tem um sistema de ar condicionado sofisticado que funciona desde os 20 graus negativos a 50 positivos, toda a sorte de instalações preparadas para multifacetadas utilizações, desde o transporte de mini-submarinos a câmaras de descompressão para mergulhadores, uma sala de máquinas revolucionárias, gruas especiais, cinema, salas de reuniões e de pesquisa, laboratórios, luxuosas acomodações para o proprietário e seus convidados, etc.

O navio pode também transportar hidroaviões e helicópteros, está dotado de sonares especiais para navegação no gelo (o casco está também preparado para esses desafios) e há toda a sorte de câmaras de alta definição, para filmar vida selvagem marinha de dia ou de noite, radares especiais e cartas de navegação em écrans electrónicos avançados.

Fotos do interior: Thierry Ameller, para a Boat Magazine

Extraordinário é também o toque inspiracional da aventura, cujo melhor exemplo é a própria ponte de comando, ilustrada com uma grande reprodução de Tintin na ponte de comando do navio de investigação onde, com o capitão Haddock, busca “O Tesouro de Rackham o Terrível’, no álbum de BD do mesmo nome, da autoria de Hergé…

Mais informações no artigo da Boat, cuja leitura recomendamos. Basta pesquisar ‘Yersin’.

Conforme já foi anunciado na imprensa da Madeira, o príncipe Alberto do Mónaco, que é um grande apoiante deste empreendimento de François Fiat, virá em breve à Madeira. O Yersin realizará expedições na Macaronésia, subsidiadas pelo principado de Mónaco, pelo que o príncipe Alberto deverá vir à Madeira em Setembro próximo, contactando com cientistas locais e outras entidades.  O seu bisavô realizou pesquisas nos finais do século XIX e princípios do século XX, nas águas da Macaronésia.

Estão previstas para breve, segundo refere o DN-Madeira, visitas às Desertas e às Selvagens.