Sorteio para o boletim de voto na Ribeira Brava dá queixas do PSD e JPP à Comissão de Eleições

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
O sorteio para a ordem do boletim de voto, na Ribeira Brava, decorreu sob tensão. Com queixas do PSD e do JPP.

O PSD e o JPP formalizaram já uma queixa, junto da Comissão Nacional de Eleições, relativamente à forma como decorreu o sorteio para o boletim de voto da Ribeira Brava, correspondente às autárquicas de 1 de outubro. O calendário eleitoral estabelece o dia 8 de agosto como o do” sorteio das listas e dos símbolos dos grupos de cidadãos, afixação do resultado e envio à CNE e ao presidente da câmara”.

Tanto a candidatura social democrata de Nivalda Gonçalves como a candidatura do Juntos Pelo Povo liderada por Luís Drumond, não esconderam algumas críticas no que toca ao mecanismo utilizado neste sorteio, feito através de suporte informático, na presença de um juiz, como estabelece a legislação, mas com um episódio que, na opinião dos queixoso, não está em conformidade com a lei, uma vez que esta não prevê números nas siglas introduzidas e no caso deste sorteio a sigla correspondente ao movimento “Ribeira Brava Primeiro”, de Ricardo Nascimento, entrou no sistema como RB1. O resultado foi que, em duas tentativas, o sorteio ditou sempre RB1 em primeiro e todos os outros partidos sofreram alteração nas posições. O juiz entendeu não existiram razões para uma terceira votação e validou o processo tal como ficou:  1 -Ribeira Brava Primeiro, 2- PTP, 3- JPP, 4 – CDU, 4- PS, 5- PSD e 6- BE.

Na queixa enviada à CNE e assinada por Élvio Sousa, o JPP pede “a repetição deste sorteio que, à semelhança do que ocorreu noutras instâncias do País, decorreram sem o uso de plataforma informática, salvaguardando possíveis irregularidades do sistema e a própria igualdade do sorteio”.

Luís Drumond, em declarações ao Funchal Notícias, considera que apesar de não ter estado presente, o JPP tinha representante no sorteio, a realidade é que se trata de um “ato processual que deixou algumas dúvidas e que certamente a Comissão Nacional de Eleições é a entidade competente para esclarecer se aquilo que foi a adoção tomada no sorteio foi a mais correta”.

O mesmo argumento é apresentado na queixa pelo Partido Social Democrata, considerando que o mais lógico seria ter introduzido no sistena informático a sigla RBP, sendo que a opção poe RB1 constitui uma alteração que veio acrescentar uma dúvida a um processo que poderia ter sido normal e dentro da legislação.