Maior acessibilidade intermunicipal e sistema de tarifário integrado entre os objetivos da nova rede de transporte público

transportes
Eduardo Jesus apresentou o processo de reestruturação da rede de transportes públicos.

Margarida Silva (texto e foto)

O secretário regional da Economia, Turismo e Cultura quer uma rede de transporte público para ‘’transformar qualitativamente a oferta na Região, tornando-a mais atrativa, eficiente e direcionada acima de tudo para as necessidades reais da população’’.

Esta posição foi assumida hoje, durante uma conferência de imprensa onde Eduardo Jesus apresentou o processo de reestruturação da rede, que tem como passo imediato a abertura de concurso público internacional tendo em vista a condução do serviço de transporte de passageiros.

 

O primeiro passo, já concluído, do Plano Integrado Estratégico dos Transportes da Região Autónoma da Madeira – PIETRAM – veio ‘’traçar novas orientações para o alcance do objetivo já referido’, sublinha o Secretário Regional do Turismo, Economia e Cultura. Existe atualmente uma ‘’satisfatória ponte de entendimento com cada um dos municípios da RAM e conseguimos uma articulação que para nós foi fundamental, quer no que diz respeito à partida das competências, quer no que se refere à restruturação de toda a rede’’, acrescenta Eduardo Jesus.

Esta nova rede permitirá ajustar o serviço às necessidades existentes por parte da população, servir áreas que ‘’até agora não eram servidas, como é o caso das zonas altas do município de Santa Cruz’’, e, reavaliando assim, a oferta excessiva em algumas áreas.

Até à data, o contrato foi já celebrado com todos os municípios da RAM, à exceção do Funchal, cuja celebração e conclusão do contrato deverá estar para breve e ter assim o ‘’final desejado’’.

Outros dos propósitos deste projeto é reforçar a acessibilidade interna da costa norte da ilha, isto é, Santana, São Vicente e Porto Moniz, apostar numa maior acessibilidade intermunicipal, implementar o sistema tarifário e de bilhética integrados para uma maior ‘’facilidade da utilização dos transportes’’, diz Eduardo Jesus, mas também melhorar as condições de transbordo e de conforto dos passageiros nas paragens.