Governo e Câmara do Porto Moniz assinaram contrato interadministrativo de transporte de passageiros

O secretário regional da Economia, Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, e o presidente da Câmara Municipal do Porto Moniz, Emanuel Câmara, assinaram hoje o último contrato interadministrativo decorrente do novo regime jurídico do serviço público de transporte de passageiros. Com esta cerimónia, explica o Governo, encerra-se assim esta fase do processo, dando espaço a que as entidades governamentais possam avançar, agora, para o lançamento do procedimento do Concurso Público Internacional no que respeita às carreiras interurbanas.

Este concurso público representa, conforme sublinhou Eduardo Jesus, «uma oportunidade para que possamos trabalhar e concretizar um serviço público de transporte mais eficaz e eficiente, direccionado para as necessidades das pessoas – sejam estas residentes ou visitantes – e, sobretudo, com menor custo para os seus utilizadores».

Elogiando a colaboração e o empenho manifestado pelo Município do Porto Moniz, o secretário regional da Economia, Turismo e Cultura reiterou, mais uma vez, a importância «desta colaboração entre o Governo Regional a as autarquias», dado serem estas as entidades que estão «mais próximas da população e que, por isso mesmo, melhor entendem e comunicam as suas necessidades e expectativas».

Colaboração que Emanuel Câmara entende como sendo «uma mais-valia». Conforme fez questão de referir, «temos de pensar, neste caso, em duas vertentes: a primeira prende-se com a população local, aquela a quem temos o dever e a obrigação de servir. A segunda, prende-se com aqueles que nos visitam e que, procurando cada vez mais a natureza, podem perfeitamente dispensar a viatura se tiverem uma resposta mais eficiente neste tipo de oferta de transporte público, num local que é de destino e não de passagem».

Referindo-se, ainda, ao trabalho que foi desenvolvido, ao longo dos últimos meses, com o Governo Regional, o presidente da autarquia do Porto Moniz sublinhou a preocupação que existiu em ouvir as pessoas e todos aqueles que, de alguma forma, pudessem contribuir para este novo desenho da rede, dando o exemplo «do presidente do Conselho Directivo da Escola, que foi envolvido, neste trabalho, para acautelar o transporte escolar», num processo que visa potenciar o Município, responder às necessidades da população local e atrair mais procura.