Humberto Vasconcelos amanhã na Feira Nacional de Agricultura para divulgar, entre outros produtos, o rum da Madeira

foto LR

O secretário regional da Agricultura, Humberto Vasconcelos, estará amanhã na Feira Nacional de Agricultura, em Santarém, onde visitará o stand que a Região apresenta no certame. O governante salientou que a presença da Madeira não se limita às entidades oficiais, havendo um conjunto de empresários que se associaram à SRAP apresentando produtos regionais.

O governante salientou que esta Feira é um acontecimento nacional de grande importância no sector, pelo que era muito importante para a RAM estar presente. “Por lá passam todos os grandes agricultores de Portugal, e passam também as grandes empresas”, salientou. “É essencial promover uma região agrícola como a nossa, e produtos de excelência como o maracujá, o bolo de mel, o rum da Madeira”, declarou.

Até ao momento, disse Humberto Vasconcelos, a representação madeirense tem corrido muito bem. Por vezes, há quem não conheça bem os produtos que os madeirenses têm para oferecer, e é para isso que estes eventos servem, precisamente: para a apresentação dos produtos.

Relativamente à exportação de produtos agrícolas pela Região, Humberto Vasconcelos disse que o Governo Regional está a trabalhar no sentido de aumentar as quantidades exportadas de alguns produtos. “Mas também estamos num combate directo com o Governo da República, no sentido de obtermos a redução do IEC sobre o rum da Madeira, que para nós é fundamental”. Esta questão, disse o governante, já foi debatida também com o secretário de Estado Rocha de Andrade (Assuntos Fiscais), e ambos consideraram fundamental proceder-se à alteração desta directiva comunitária no sentido de “estendermos a redução do IEC a todo o território nacional”, para que estes produtos possam competir com os da Martinica que entram no mercado francês já com uma taxa reduzida. Neste momento, o Governo Regional aguarda resposta, mas continuará a insistir.

Há mais de um ano que se arrasta este processo negocial com o Governo da República, mas o Secretário continua a considerar que, para o rum da Madeira poder competir no mercado nacional, essa redução é essencial. Sem a mesma, “estamos cingidos ao mercado nacional com quantidades muito reduzidas, porque o preço não é competitivo, e assim o mercado regional não cresce”.

A produção de cana-de-açúcar cifra-se actualmente por volta das dez mil toneladas, uma parte da qual é para mel, outra é para o rum, embora a percentagem própria para o rum, Humberto Vasconcelos não a saiba neste momento contabilizar. De qualquer forma, refere que o mercado “está a aumentar”.