JPP quer soluções para a estrada do Porto da Cruz

 

O partido JPP esteve hoje na Estrada Regional 110, ao lado do cemitério do Porto da Cruz e da Ribeira do Junçal, para abordar uma questão que, salientou, se arrasta desde 2013 e que se tem agravado, já que, actualmente, a Direcção Regional de Estradas encerrou o percurso devido a deslizamentos do terreno.

“Esta foi uma zona afectada pelo temporal de 2013 e desde 2014 que o Governo decidiu fazer monitorização geológica nesta margem esquerda da ribeira, prevendo-se encontrar soluções para este local, mas a verdade é que até agora não foi apresentada qualquer solução para estabilização desta encosta. Queremos perguntar ao Governo Regional que estudos geológicos foram feitos e quais são as conclusões?”, questionou Carlos Costa.

O JPP recordou um conjunto de promessas, apresentadas no âmbito da campanha eleitoral das Regionais 2015, pelo próprio Miguel Albuquerque: “Disse que já bastava de estudos geológicos, que a população não poderia estar privada desta estrada, tal como o comércio local, mas dois anos depois continua tudo na mesma.”

Carlos Costa sublinhou que no ano passado estava previsto um valor de 5 milhões para este projeto de estabilização da margem esquerda da Ribeira do Junçal e este ano há registos de 11,7 milhões de euros no Orçamento Regional. “Contudo, ainda não foi gasto praticamente nada e não se vê obras para resolver esta situação”, lamentou o dirigente do JPP, que lembrou ainda a acção do autarca de Machico: “Foi a Lisboa, junto do Governo da República, tentar encontrar financiamento para resolver algumas situações provocadas pela intempérie de 2013, houve uma promessa, por via do Plano de Emergência Municipal, que seria concertada com o Governo Regional, mas não se sabe nada, na prática, sobre esse compromisso.”

Carlos Costa aproveitou a passagem pelo Porto da Cruz para deixar um dossier na Junta de Freguesia, contendo documentação alusiva ao projecto da estabilização da margem esquerda da Ribeira do Junçal e aos orçamentos previstos, para que a população possa consultar.