Jovem maestrina italiana Beatrice Venezi dirige a OCM em concerto

A Orquestra Clássica da Madeira continua a proporcionar bons concertos aos melómanos madeirenses, e a apresentar as obras do repertório orquestral a um público de todas as idades.

Conforme anuncia a OCM, este segundo concerto dedicado à Festa da Flor, a 6 de Maio, às 18 horas, no Centro de Congressos, marca a estreia da jovem maestrina italiana Beatrice Venezi à frente da Orquestra Clássica. O programa será essencialmente constituído por obras festivas, dedicadas à natureza, à Primavera e às flores. Uma proposta de obras italianas com referência a Vivaldi, com as ‘Quatro Estações’; e de Ottorino Respighi, será tocada a peça ‘Três Pinturas de Botticeli’.

“Ouviremos um Vivaldi brilhante e enérgico  pelas mãos do virtuoso e premiado violinista Yuri Zhislin. E na segunda parte uma proposta musical com a linguagem e estética de Respighi com a frescura sonora das suas combinações instrumentais”, refere o director artístico da OCM, Norberto Gomes.

Os bilhetes custam entre 20 euros e 5 euros e estão disponíveis no La Vie Funchal Shopping Center – Loja Naturalmente Português (Piso 1), das 09:00 às 22:00, e no dia do concerto no local, a partir das 14:00.

A maestrina convidada Beatrice Venezi 

Beatrice Venezi é uma maestrina, pianista e compositora nascida em 1990. É maestrina titular da Jovem Orquestra Scarlatti, em Nápoles, e maestrina assistente da Orquestra Juvenil Estadual da Arménia. Também é maestrina convidada do Festival Puccini.

Graduou-se em Piano em 2010 no Conservatório de Siena, e frequentou masterclasses de interpretação pianística sob a direcção de M ° Swann, M ° Libetta, M ° Balzani, M ° De Maria e M ° Lucchesini. Foi premiada/ laureada com o 1º Prémio no Concorso Nazionale di Interpretazione Pianistica “R. Zucchi” em 2005 e premiada no 4º Concurso Nacional por Giovani Musicisti “L. Zanuccoli” em 2006. Estudou Composição sob a direcção de Gaetano Giani Luporini.

Graduou-se em Direcção de Orquestra sob orientação do Vittorio Parisi no Conservatório “Giuseppe Verdi” em Milão em 2015, atingindo a pontuação de 110/110 cum laude (distinção académica). Posteriormente seguiu os seus estudos com Piero Bellugi em Florença, Gianluigi Gelmetti na Accademia Chigiana em Siena e John Axelrod, de quem foi assistente em 2015 para a produção de “Candide” de Leonard Bernstein no Maggio Musicale Fiorentino.

Beatrice iniciou a sua carreira como assistente e ensaiadora vocal, fazendo a sua estreia sinfónica em 2012.

Até agora, liderou a Orchestra I Pomeriggi Musicali de Milão, a Nuova Orchestra Scarlatti, a Orchestra della Magna Grecia, a Dèdalo Ensemble, a Orchestra da Camera Fiorentina, a Orchestra Filarmonica di Lucca, a Orchestra Filarmonica Campana, a Orchestra Sinfonica Alma, a Orchestra Filarmonica di Benevento, a Orchestra Foundation Bulgaria Classic, a Orquestra e Coro do Teatro Bolshoi de Minsk e a Orquestra Juvenil Estatal da Arménia.

Colaborou em importantes festivais como o New European Festival em Estugarda, o Festival di Bellagio e del Lago di Como, no Festival Pontino e Maggio Musicale Fiorentino. Em Julho de 2016 estreou-se no Festival Puccini Torre del Lago com “Turandot” de Ferruccio Busoni.

Beatrice tem um grande interesse pela música contemporânea e é, portanto, autora do ensaio “Gaetano Giani Luporini: La Necessità interiore dell ‘Arte” (“Gaetano Giani Luporini: A Necessidade Interior da Arte”) publicado na Revista Codice 602 em 2009 e autora em capítulos do livro “Fare musica oggi: difficoltà e gioie”, do musicólogo Renzo Cresti, editado por Marco Del Bucchia Editore em 2010.

Enquanto intérprete, especializou-se em música contemporânea, tendorealizado várias estreias de compositores italianos, tanto como pianista quanto como maestrina.

Como compositora, é autora da banda sonora da curta-metragem “L ‘Arte del Campanellaro” de Daniele Michelini e de um ciclo de “Haikus” para vozes com textos escritos por mestres japoneses e por ela mesma.

Em 2015, Beatrice foi premiada com o prestigiado prémio “Premio Donna 8 Marzo – A Música pela Vita” pela ASSAMI – Amici del Conservatorio di Milano.

Em 2016 foi galardoada com o prémio “Premio Michelangelo Cupisti” para jovens artistas da Fondazione Festival Pucciniano e da Associação Cultural Michelangelo Cupisti.

Desde 2015, Beatrice foi escolhida para o programa Audi Innovative Thinking desenvolvido pela Audi.

Yuri Zhislin

Apelidado pela revista “ The Strad” como um “virtuoso com um temperamento verdadeiramente Romântico”, Yuri Zhislin é um dos violinistas mais versáteis da sua geração. Dominando tanto o violino como a viola d´arco, Zhislin desfruta de uma activa carreira na vertente solista e música de câmara. As suas actuações já o levaram a mais de 60 países à volta do mundo.

Vencedor do prémio absoluto no Concurso Internacional de Sarasate em 1991, Yuri foi admitido no Royal College of Music onde estudou com o seu pai, Grigory Zhislin e consequentemente com o Doutor Felix Andrievsky.

Em 1993, Yuri foi o Jovem Músico do Ano da BBC Radio Two.

Estes prémios originaram convites para trabalhar como solista com muitos Ensembles e Orquestras, incluindo a BBC Concert Orquestra, London Mozart Players, a Lithuanian Chamber Orquestra, State Symphony Orquestras; Queenland Symphony; Yerevan Philharmonic; Belgrade Philharmonic, Russian State Chamber Orquestra, Novosibrirsk Philharmonic, Pacific Symphony, Orquestra Clássica da Madeira; Santiago do Chile Symphony e a Atlay Philharmoni, entre outras.

Zhislin fez sua estreia em Nova Iorque no Carnegie Weill Hall em 2014 e apareceu no Wigmore Hall e Kings Place em Londres, Salle Gaveau em Paris, Stadtcasino em Basileia, Moscovo Conservatoire Chamber Hall, International House of Music em Moscovo, Arnold Kats Music Hall em Novosibirsk, Kolarac Hall em Belgrado, o Great Guild Hall em Riga, o QPAC Hall em Brisbane, o Teatro Coliseum em Buenos Aires e o Teatro Solis em Montevideo entre muitos outros.

A nível discográfico, Yuri gravou um CD de duetos para violino e viola com para a etiqueta Naxos em 2009, e um trio CD de cordas para a etiqueta Nymbus Alliance com Dmitry Sitkovetsky no violino e Luigi Piovano no violoncelo.

Como músico de câmara empenhado, Yuri é regularmente convidado para participar de festivais de música internacionais de música em todo o mundo. Trabalhou com artistas como Maria João Pires, Maxim Vengerov, Barry Douglas, Natalie Clein, Sergei Nakariakov, Liana Isakadze e Ivan Monighetti, entre muitos outros.

Zhislin foi director artístico do Apollon International Arts Festival no Chipre em 2014 e 2015.

Em 2004, Yuri formou o Russian Virtuosi of Europe, um ensemble constituído por músicos laureados em Concursos Internacionais. Este ensemble recentemente terminou tournées com sucesso, tanto na América do Sul como na Rússia. Em Fevereiro de 2016 lançou o seu CD de estreia na Orchid Classics recebeu grandes críticas e foi escolhido “CD do mês” em abril de 2016 pela BBC Music Magazine.

Yuri é professor de violino e viola no Royal College of Music de Londres e é professor convidado na Academia de Verão Terni Mozart Itália, na Academia Allegro-Vivo na Áustria e na Academia de Verão de Gijon, em Espanha.