MPT dá conta das respostas da comandante da PSP às suas dúvidas

O MPT esteve hoje reunido com a comandante da PSP Regional da RAM, superintendente Madalena Amaral. Àquela responsável, o partido colocou algumas questões sobre os meios e as instalações das várias esquadras distribuídas pela Região.

Madalena Amaral respondeu que “os meios existentes enquadram-se dentro das necessidades e por isso são adequados”, diz o MPT. Relativamente às instalações, a perspectiva a curto prazo é instalar as esquadras da Ponta de Sol e de Santa Cruz. As esquadras de Machico e Porto Santo só terão resolução a longo prazo.

O Partido da Terra nesta perspectiva e num contexto de assegurar melhor este serviço, entende que o subsídio de risco deveria der implementado rapidamente. “No entanto, a Sra. Comandante referiu que isso depende exclusivamente de decisão política e que não queria pronunciar-se sobre o assunto por ser uma questão meramente política”, salienta o MPT.

Ainda relativamente ao subsídio de fardamento, o MPT-Madeira também concorda que as despesas com a roupa de trabalho devem ser totalmente suportadas pela instituição e que esta deve ser substituída sempre que necessário pelo desgaste que tem do dia-a-dia.

Relativamente ao número de recursos humanos na polícia, os que existem vão dando resposta, no entanto, se entrarem mais elementos, estes são sempre necessários, disse Madalena Amaral ao MPT.

“Relativamente a este assunto o MPT-Madeira ficou esclarecido, mas devido a determinadas queixas da restauração sobre as acções de fiscalização da polícia, verifica-se que existe uma “caça a multa” e que isto prejudica enormemente este sector, assim como os trabalhadores afectos a estes serviços da restauração. Somos de acordo que se façam acções de sensibilização e de informação, porque todos devemos ser responsáveis e cidadãos participativos. Não podemos é ficar com a sensação que as acções de fiscalização são “acções de caça”. Para estas acções há sempre recursos humanos, mas nas ruas, nos bairros e em outros lugares nunca se vê um polícia para a tal prevenção, nomeadamente, no combate aos estupefacientes e sinistralidade”, critica o partido.