Temos a melhor aguardente do mundo

Visita Engenho Porto da Cruz24
Luís Faria, ao centro, enaltece a mais recente conquista.

Entre 1300 amostras de centenas de empresas de 60 países, a ‘Branca -Rum Agrícola da Madeira 50%’ foi distinguida com a Medalha de Ouro na categoria de Runs no International Spirits Challenge (ISC) 2016 que decorreru a 20 de Junho, em Londres.

O ISC é o maior e mais respeitado concurso de bebidas espirituosas do Mundo. Evento de excelência Mundial na promoção de bebidas espirituosas cuja 21ª edição foi este ano.

Na prova cega, a ‘Branca’ competiu com outras grandes marcas e conseguiu o grande feito de trazer para Portugal a medalha de ouro.

Machico-46
A Branca é produzida no Engenho do Porto da Cruz.

O concurso é um processo de avaliação rigoroso e independente com mais de 1400 candidaturas de quase 70 países do Mundo tornando o ISC uma competição verdadeiramente global.

Ganhar um prémio ISC é um feito notável para qualquer bebida espirituosa que passa numa prova cega muito meticulosa avaliada por um painel de rigorosos experts.

“Estamos muito orgulhosos com esta distinção. É o reconhecimento da qualidade de uma marca que é referência na Madeira há muitos anos”, confirmou ao Funchal Notícias, Luis Faria, gerente da ‘J.Faria & Filhos Lda.’, a empresa produtora da ‘Branca’.

branca
A bebida que recebeu a medalha de ouro.

Recorde-se que a aguardente de Cana ‘Branca’ surgiu no antigo Engenho de Machico na década de 70. A sua pureza e limpidez deram origem ao seu nome.

O Rum é uma bebida alcoólica obtida a partir da fermentação do sumo da cana-de-açucar (Rum agrícola).

Mais tarde a sua produção transita para a Companhia dos Engenhos do Norte, no Porto da Cruz, e nos seus engenhos a vapor do séc XIX, foi sendo produzida ao longo dos anos pela mão do seu criador, Luiz Clode.

Em 2013 quando a ‘J. Faria & Filhos, Lda.’ adquiriu o Engenho manteve a sua imagem e produção de forma fiel.

Ao longo de 40 anos a marca estabeleceu-se na Ilha da Madeira e é hoje uma referência.

Em 2016, com a distinção de medalha de Ouro a ‘J.Faria’ decidiu reformular ligeiramente o seu design por forma a enaltecer a sua originalidade e sua qualidade. O sabor, é o de sempre, e a medalha recentemente conquistada comprova-o.

prata
Medalhas de prata para estas duas bebidas.

Contactado pelo Funchal Notícias, Luís Faria confirmou que, para além do ouro, a ‘J.Faria’ foi brindada em Londres com mais três medalhas: Duas de prata (Branca Seleção e Lido Rum) e uma de bronze (9/70).

Luís Faria releva a medalha de prata para o Lido Rum, uma bebida de baixo teor alcoólico lançada em 2015, criado especialmente a pensar na Poncha, de fácil combinação com os sumos de fruta usados na Poncha.

Este ano, a empresa recebeu no engenho do Porto da Cruz 3.200 toneladas de cana-de-açúcar, toda utilizada para produção de rum agrícola.

A maior parte da produção de aguardente é para consumo interno (beneficia de uma redução de impostos de 75%) e apenas uma pequena parte é para exportação.

A empresa gostaria de ver aumentada a exportação mas há um grande obstáculo: os impostos.

Por isso, Luís Faria reivindica para Portugal o mesmo estatuto que foi concedido por Bruxelas a França. Ou seja, uma redução de impostos de, pelos menos, 50%.

A bola está do lado do Estado Português.