Corveta afundada com várias explosões controladas virá beneficiar mergulho, diz Albuquerque

screenshot_2016-07-13-15-44-56.png

Fotos Rui Marote

Bastaram cerca de dez a vinte segundos,  se tanto, para fazer afundar a corveta Pereira d’Eça nos mares do Porto Santo. Os explosivos de corte judiciosamente colocados, de forma a não prejudicarem a vida marinha, fizeram rapidamente romper o casco do velho navio militar, que, já com várias aberturas no seu casco, rapidamente meteu água e desapareceu nos fundos marinhos ao largo do Porto de Abrigo da Ilha Dourada. Entretanto, a bordo do navio-patrulha Cacine, as entidades convidadas para assistir ao evento, entre as quais o presidente do Governo Regional, aplaudiam e brindaram à Marinha Portuguesa, que cedeu a embarcação para servir de novo recife artificial.

oi000804.jpg

Esta nova atractividade para o sector do mergulho no Porto Santo situa-se entre o Porto de Abrigo e o Ilhéu de Cima, na Área Marinha Protegida deste ilhéu. O navio agora afundado fica a cerca de um ou dois quilómetros de distância do cargueiro ‘Madeirense’, que já constitui uma grande mais-valia para o mergulho desportivo.

oi000802.jpg

Conforme salientou na ocasião o chefe do Executivo Madeirense, o Porto Santo “está a crescer imenso ao nível do turismo, está a quebrar a sazonalidade e há novos investimentos muito interessantes. Para além da praia, nós queremos diversificar o turismo”. Obviamente que,  olhando para o mar do Porto Santo, sustentou, o mergulho tornas-se um dos investimentos mais lógicos. Já há duas empresas a laborar nesta área actualmente, disse, e este afundamento insere-se nessa estratégia, e vem também diversificar a oferta do mergulho, que cada vez atrai mais pessoas. Aparentemente, este navio ficará afundado a uma menor profundidade do que o ‘Madeirense’ situando-se apenas a 9 metros.

screenshot_2016-07-13-15-46-24.png

“É um mergulho que pode ser feito com toda a família” disse Miguel Albuquerque. O presidente sublinhou também que este afundamento vem ao encontro da estratégia do a Governo Regional, de tornar mais acessíveis ao público as zonas de reserva natural,  fazendo-o de uma forma controlada.

screenshot_2016-07-13-15-46-54.png

O governante referiu ainda a grande colaboração que em existido entre o Governo e a Marinha.

screenshot_2016-07-13-15-47-29.png