Arménia, a nação onde a Arca de Noé encalhou…

FOTOJORNALISTA_VIAGENS_(FN)_byDM (2)

Rui Marote em Yerevan, Arménia

A Arménia é um país localizado numa região montanhosa na Eurásia entre o Mar Negro e o Mar Cáspio, no sul do Cáucaso. Faz fronteira  com a Turquia a Oeste, a Geórgia a Norte, o Azerbaijão e o Irão a Leste e com o enclave de Nakhchivan (pertencente ao Azerbaijão) ao Sul.

wpid-fotografia-9.jpg
Veteranos de guerra visitando o memorial à Mãe Pátria

Apesar de geograficamente estar inteiramente  localizada na Ásia, a Arménia possuiu extensas relações  sociopolíticas e culturais com a Europa.

wpid-fotografia-7.jpg
Aspecto do memorial ao genocídio

Foi a menor das repúblicas da extinta União Soviética. Configura-se num estado unitário, multipartidário democrático, com uma antiga herança histórica e cultural. É constitucionalmente um estado secular, tendo a fé cristã uma grande identificação com o povo.

wpid-fotografia-23.jpg
Ainda se encontram manifestações do folclore e etnografia em ocasiões especiais

 

O país é uma democracia emergente e por causa da sua posição estratégica concilia alianças com a Rússia e com o Médio Oriente. Localiza-se no planalto com a envolvente montanha bíblica do Ararat onde, segundo a tradição judaico-cristã, a arca de Noé encalhou após o Dilúvio.

wpid-fotografia-35.jpg
Cenas de um animado casamento…

wpid-fotografia-11.jpg

Estamos em Yerevan, a moderna capital da República Arménia. A cidade foi fundada em 782 a.C. e foi sujeita a invasões por diversos povos gregos, assírios, romanos, bizantinos, árabes, mongóis, persas, turcos otomanos…

wpid-fotografia-10.jpg
A principal praça da cidade em Yerevan

No centro de Yerevan, a Praça da República  é o lugar onde as cerimónias  são realizadas. A mais notável das reuniões  é o show militar anual do Dia da Independência.

Esta praça começou a ser construída em 1926, passou por diversas alterações ao longo dos anos e foi finalmente concluída em 1958.

wpid-fotografia-33.jpg
Exterior da Basílica de São Gregório

Foi conhecida como Praça Lenin, onde se erguia a estátua do líder soviético Vladimir Lenin, a qual foi desmantelada em 1990, antes da independência da Arménia.

A praça em  forma oval tem um padrão de pedra no centro.

wpid-fotografia-19.jpg
Interior da basílica ortodoxa de São Gregório

Fontes de água estão localizadas na zona Nordeste da praça em frente à galeria nacional. Os prédios ao redor da praça  são pintados de rosa e branco. O relógio do edifício da torre do governo foi feito em Moscovo e transferido para Yerevan em Julho de 1941. O diâmetro do relógio é de 4 metros. O comprimento do ponteiro dos minutos é de 188 cm, enquanto o das horas é de 170 cm.

Genocídio arménio

wpid-fotografia-2.jpg
Museu do Genocídio

É como é chamada a matança e deportação forçada de centenas de milhares ou até de um milhão de pessoas de origem arménia que viviam no Império Otomano, com intenção de exterminar a sua presença cultural, a sua vida económica e seu ambiente familiar durante o governo dos chamados jovens turcos.

Caracterizou-se pela brutalidade dos massacres e pela utilização de marchas forçadas com as deportações que geralmente levava a morte de muitos dos deportados. Alguns historiadores consideram que esses actos são parte da mesma política de extermínio.

É o segundo mais estudado evento desse tipo, depois  do Holocausto dos judeus na segunda guerra mundial.

Vários estudiosos afirmam que em 1939 nas vésperas da invasão da Polónia, Hitler teria pronunciado a seguinte frase, procurando dissipar preocupações com a reacção dos países do Ocidente: “Afinal quem fala hoje do extermínio dos arménios?”

A data de 24 de Abril de 1915 foi adoptada como início do massacre, por ter sido o dia em que dezenas de lideranças arménias foram presas e massacradas em Istambul. O governo turco sempre rejeitou, porém, o termo “genocídio organizado”, negando que as mortes tenham sido intencionais.

Cem anos depois, ainda persiste a polémica.

Tudo isto levou-me a visitar o Museu do Genocídio e o respectivo memorial.

As deslocações não são fáceis para um estrangeiro, dado o alfabeto utililizado...
As deslocações não são fáceis para um estrangeiro, dado o alfabeto utilizado…