Ruas com alma de um Funchal apressado

paixão 1
Ilustrações de José Alves.

Quem passar pelas ruas da cidade, mergulha num labirinto de vidas, com história, luzes, cores e até sabores.

Não é só as placas que dão nomes encantadores à ruas: é o bulício da gente, os rituais dos seus residentes, feitos de alegria e dor, histórias indizíveis levadas pelo tempo secular das próprias ruas.

Bem o Funchal pode ser cosmopolita e moderno, mas quem circula por estas ruas, desde os Aranhas até ao Carmo, passando pro Santa Maria, abre-se a uma sinestesia de odores, ao rimo cadenciado de uma população que todos os dias as circula sem que por vezes pare para as sentir.

No traço do artista José Alves fica o registo subtil e cirúrgico. Ruas que são um corpo vivo e que formam a alma da cidade. Uns jogam cartas, outros zangam-se à boa maneira madeirense, outros fazem ainda das ruas os tetos alternativos e todos passam efemeramente no tempo menos as nossas ruas.