Palácio São Lourenço assinala amanhã 20 anos de abertura ao público

São LourençoO dia 22 de setembro de 1995 foi um marco importante na longa história deste Monumento Nacional: concretizou-se a possibilidade de acesso a todos quantos pretendam visitá-lo.

A abertura do Palácio ao público, conciliada com a sua condição de residência oficial, teve antecedentes em meados do séc. XIX, quando o governador civil Conselheiro José Silvestre Ribeiro promoveu aqui a inédita realização da Exposição de Indústria Madeirense em 1850 e a instalação, nos serviços do governo civil, do Gabinete de História Natural, considerado o primeiro museu da Madeira, aberto entre 1850 e 1852.

Depois disso, só em situações pontuais o Palácio acolhia eventos ou grupos de visitantes, previamente autorizados.

Há 20 anos, a abertura permanente da área civil deste Monumento veio a ser estabelecida, concluída que estava a parte mais visível de um programa abrangente de conservação e restauro do património móvel e imóvel iniciado em 1993, que se prolongaria até 1997.

A abertura formal do Palácio de São Lourenço ao público, que teve eco na Comunicação Social regional e nacional, foi assinalada numa sessão que teve lugar no Salão Nobre, presidida pelo Ministro da República, Vice-Almirante Artur Rodrigues Consolado.

Entre os presentes, encontrava-se a então Diretora Regional dos Assuntos Culturais, Escultora Manuela Aranha. Nessa ocasião, foi publicamente apresentada a
intervenção de restauro do mobiliário, coordenada pelo reputado técnico do Instituto de José de Figueiredo, Pedro Cancella de Abreu.

A partir de então, a componente museológica do Palácio de São Lourenço consolidou-se. O Serviço Educativo informal, existente desde 1993, alargou progressivamente o seu âmbito de atividades, inicialmente dirigidas sobretudo à comunidade escolar. Além desta, o público dos primeiros anos era constituído maioritariamente por turistas
estrangeiros e nacionais, tendo crescido na última década a afluência do público madeirense, atraído por visitas temáticas e atividades integradas em efemérides como o Dia dos Monumentos, Dia dos Museus, Jornadas Europeias do Património e Semana Acesso Cultura.

A “Área Museológica” não é um museu, enquadrando-se, no âmbito da legislação em vigor, nas designadas “coleções visitáveis”: na realidade, trata-se de um acervo de artes decorativas que inclui peças oriundas dos Palácios Reais (aqui depositadas nas décadas que se seguiram à implantação da República), integradas num Monumento Nacional emblemático na Região Autónoma da Madeira.

20 anos de experiência acumulada de abertura ao público permitem apresentar e questionar este modelo, com as suas virtualidades e constrangimentos, os projetos pendentes e as estratégias definidas no trabalho com e para o(s) público(s), na atual conjuntura.

Este tema é objeto de reflexão às 16h00 do dia 22: _”__UM PALÁCIO PARA TODOS – UM OLHAR SOBRE 20 ANOS DE ABERTURA AO PÚBLICO”_, palestra e debate orientados por Margarida Camacho, responsável pela Área Museológica do Palácio de São Lourenço, aberto a profissionais e colaboradores de instituições culturais e demais interessados.

Às 18h00, realiza-se no Salão Nobre um recital de Guitarra e Poesia (programa em anexo), protagonizado por alunos do Conservatório – Escola Profissional das Artes – Engº Luiz Peter Clode – S.R.E., com entrada livre.

“Assinalar esta data é uma homenagem a todos – funcionários, voluntários, instituições públicas e privadas, órgãos de Comunicação Social – que ao longo de duas décadas colaboraram com os Serviços da Área Museológica em inúmeras parcerias informais, no propósito comum de abrir e divulgar este Monumento”, revela uma nota hoje divulgada.