Quinta Vigia ‘retira’ prédio à Criamar na Zona Velha

Criamar
Foto DR.

O Conselho de Governo reunido em plenário em 5 de março de 2015, resolveu proceder à revogação de uma Resolução de 4 de Abril de 2013 e ‘retirar’ à Associação de Solidariedade Social para o Desenvolvimento e Apoio a crianças e jovens (Criamar) o prédio que cedeu a título precário e gratuito localizado na Rua de Santa Maria.

A resolução hoje publicada no JORAM revoga a Resolução n.º 300/2013, de 4 de abril, que autorizou a cessão, a título precário e gratuito, à associação denominada CRIAMAR, do prédio urbano, localizado à Rua de Santa Maria n.ºs 62 e 64 e Rua D. Carlos I, n.ºs 21 e 22, freguesia de Santa Maria Maior, município do Funchal.

 A 22 de Fevereiro de 2012, na inauguração do espaço, Jardim havia afirmado que a Casa das Artes da CRIAMAR, situada num espaço cedido gratuitamente pelo Governo Regional, era “uma obra de muito valor”.

A nova infra-estrutura seria usada para o incentivo e aprendizagem culturais das crianças apoiadas pela instituição mas um recente litígio entre João Carlos Abreu e alguns artistas, terá feito entornar o caldo.

Com efeito, no passado mês de Outubro, os artistas que permaneceram no “Espaço das Artes da Criamar” levantaram a voz num brado público que levou João Carlos Abreu a vir a terreiro defender a honra da instituição.

Em Novembro foi tornado público que foram metidos processos contra a Criamar, João Carlos Abreu e o Governo Regional.

Não sem que antes tivesse sido noticiado que os Artistas não cediam o espaço da Criamar a esta para desenvolver outros projectos.

Recorde-se que a resolução de 2013 previa o prazo da cessão de dois anos, podendo ser prorrogado por igual período, se mantiverem os pressupostos que a fundamentaram.

Pelos vistos, os pressupostos alteraram-se. Eis a justificação: “Considerando o hiato temporal decorrido e as vicissitudes verificadas na pendência do processo, as quais impossibilitaram a outorga do respectivo contrato”.

A CRIAMAR tem como escopo, para além da concessão de bens e prestação de serviços de apoio a crianças e jovens, a conceção, criação, valorização e desenvolvimento de ideias e projectos de índole sociocultural, lúdica e pedagógica que, de modo sustentado, promovam a solidariedade social, em geral, e o desenvolvimento infantil e juvenil, em particular.

O projecto desenvolvido pela CRIAMAR e as actividades artísticas criadas deveriam potenciar o contacto de crianças e jovens com o universo das artes plásticas, da música, do cinema e da leitura, bem como a interação entre a língua portuguesa e a língua inglesa.

A CRIAMAR é uma associação sem fins lucrativos e o serviço social, educativo e cultural prestado à comunidade depende, em grande parte, do voluntariado e do apoio do tecido empresarial regional.