CHEGA propõe soluções para o sector pesqueiro

O CHEGA Madeira veio considerar que a política pesqueira levada a cabo na RAM  “tem sido um erro mantido há demasiado tempo, encaminhando todo o sector para um declínio e irrelevância inaceitáveis”.

A importância económica da pesca na economia Regional, diz-se, tem vindo a diminuir paulatinamente nas últimas décadas, pondo em risco toda a actividade. Uma realidade inaceitável considerando as suas implicações sociais, culturais, gastronómicas e turísticas.

Para o CHEGA, com os avanços tecnológicos e com o conhecimento das pescarias, a partir dos estudos das espécies e dos seus ciclos de vida, há uma solução responsável para o sector e que já devia ter sido aplicada.

O CHEGA Madeira propõe que se apoie o investimento na construção de novas embarcações modernas polivalentes, que pudessem pescar tunídeos, espada, peixe fino, ruama e cefalópodes (pota e lula).

Cumulativamente, deve-se apostar na formação de uma nova geração de pescadores mais bem preparados, à luz do conhecimento actual, também eles polivalentes, com conhecimento e domínio nas várias técnicas e pescarias.

Acredita o presidente do CHEGA Madeira, Miguel Castro, que “desta forma as embarcações e os pescadores manterão a sua actividade durante o ano inteiro, alternando as pescarias de acordo com a altura do ano e suas espécies, com as cotas de pesca estipuladas e com as orientações da gestão integrada de todo o sector, por parte da Direcção Regional das Pescas”.

Castro reforça que esta nova realidade permitirá “compatibilizar a gestão criteriosa das diferentes espécies pescadas, de acordo com as orientações técnicas provenientes da boa gestão dos “stocks”, com o aumento significativo da rentabilidade da actividade pesqueira por embarcação”.

O CHEGA Madeira entende que, desta forma, a pesca na Região Autónoma da Madeira tornar-se-á muito mais rentável, sustentável e com futuro, permitindo pagar melhores salários, atraindo novas gerações de pescadores, mais responsáveis e conscientes da sua importância, na manutenção e gestão deste importante sector para Região, contribuindo também para uma economia azul do Planeta.