Comédia “Até que a morte nos separe” no Centro Cultural e de Congressos do Porto Santo

O Centro Cultural e de Congressos do Porto Santo recebe, amanhã e depois (dias 10 e 11 de agosto), pelas 22 horas, a peça “Até que a morte nos separe”, protagonizada pelo Teatro do Avesso.

“A nona produção do Teatro do Avesso, inserido na Associação Avesso, teve estreia no início deste mês, no MUDAS – Museu de Arte Contemporânea da Madeira, numa parceria com o Município da Calheta, no âmbito das festas do concelho desta autarquia. “Até que a Morte nos Separe” é uma adaptação do texto “Un petit meurtre sans conséquence”, de Jean-Pierre Martinez. A direção artística é de Luís Melim, sendo a adaptação do texto realizada por João Pedro Ramos, que integra também o elenco na personagem de Henrique de Noronha, um conceituado advogado, a par de Carolina Abreu (dando corpo a Amélia, a esposa de Henrique de Noronha) e de João Gouveia (na personagem de Rodrigo – o amigo do casal). Em cena temos a história de um adultério involuntário até a um homicídio involuntário: um passo fácil a dar. O mais difícil, é fazer o corpo do crime desaparecer… Entre várias peripécias esta será uma peça de “morrer” a rir!”

Os bilhetes estarão à venda Centro Cultural e de Congressos do Porto Santo a partir da próxima semana, ou com a Associação Avesso (através do email reservas@avesso.pt ou do telemóvel 963 355 528). Bilhete Geral: 8€ / Menores de 18 ANOS: 4€. Preço especial para GRUPOS (mínimo) de 10 pessoas: 5€.

A circulação desta produção só é possível graças aos parceiros fundamentais do Município da Calheta, Secretaria Regional do Turismo e Cultura, Direção Regional da Cultura e aos apoios do Município do Porto Santo, Sociedade de Desenvolvimento do Porto Santo, Centro Cultural e de Congressos do Porto Santo, Junta de Freguesia do Porto Santo, PartyProfile – Logística e Produção de Eventos, Alpha Publicidade, Creativ Design Studio e Media Partners: JM-Madeira, 88.8 JMFM e Rádio Calheta.

Sobre a comédia

Até que a morte nos separe é a nona produção do TEATRO DO AVESSO, seguindo-se a “O servidor de dois amos” (2014/2015), “Os Rústicos” (2015), “A Farsa do Mestre Pathelin” (2016), estas com encenação de Diogo Correia Pinto, “Bem Longe Daqui” (2019), com dramaturgia e encenação de Ricardo Brito, “Um Vórtice” (2020), com encenação e direção artística de Luís Melim, ”Sexta-feira, 13” (2021), com encenação de João Pedro Ramos e direção artística de Luís Melim, “Ecografia” (2022), com encenação de Mariça da Silva, e ”Tempo Limite”, com encenação de Pedro Araújo Santos (2022).

Sinopse

Do adultério involuntário ao homicídio involuntário, só há um passo, fácil, a dar. O mais difícil, é fazer o corpo do crime desaparecer…

Produção Associação Avesso

Texto A partir de “Un petit meurtre sans conséquence”, de Jean-Pierre Martinez

Tradução Maurícia Gabriel / Adaptação de João Pedro Ramos

Direção Artística Luís Melim

Produção Executiva Maurícia Gabriel

Interpretação Carolina Abreu (Amélia), João Pedro Ramos (Henrique) e João Paulo Gouveia (Rodrigo)

Fotografia e Design Roberto Ramos

Desenho de Luz António Freitas

Sonoplastia Luís Melim

Cenografia / Figurinos João Paulo Gouveia, Maurícia Gabriel, ALPENDRE – Decoração de interiores