MPT diz que na RAM a igualdade de oportunidades e a meritocracia são “miragens”

O MPT aborda, em comunicado de imprensa, a desigualdade na RAM, “o local do país onde existe maior desigualdade de renumerações, medida pela relação entre os 20% mais ricos e os 20% mais pobres. Urge combater essa desigualdade, embora existam vozes críticas que declaram que essa desigualdade não é má. É fácil ter essa opinião quando se recebe duas reformas (quiçá com valor bruto superior a 5 mil euros), e tem-se os filhos com bons tachos”, sentencia, sem meias medidas, este partido. 

“Quando se é dum regime que promove a desigualdade e a pobreza, é fácil associar falsamente a igualdade a Cuba ou à Venezuela sem se ater a estudos. A Serra Leoa é um país muito desigual, e o Japão é um país com baixa desigualdade (medido pela relação entre os 20% mais ricos e os 20% mais pobres estudada pelas Nações Unidas. Para ver quais são os países com maior igualdade sigam o seguinte link https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses_por_igualdade_de_riqueza)”, sugere o MPT.

O partido concorda que “a maior injustiça é a absoluta igualdade, desde que hajam oportunidades para todos e uma verdadeira meritocracia. Acontece que aqui na Região a igualdade de oportunidades e a meritocracia são miragens, por isso o MPT defende medidas para desonerar as famílias (transportes públicos gratuitos, e pequeno almoço, almoço e jantar gratuitos para estudantes) e aumento de renumeração (salário mínimo de 800€/mês), assim como mudar os cargos de chefia da administração pública para combater a corrupção e os favorecimentos familiares e partidários”. 

“A medida de pequeno-almoço, almoço e jantar gratuitos para estudantes serviria também para dar igualdade de oportunidades aos jovens pois “sem combustível o carro não trabalha”, aponta o MPT.