Museu de Imprensa recebeu duas colecções do semanário “Voz da Madeira”

Ao Museu de Imprensa da Madeira foram oferecidas duas colecções do jornal semanário “Voz da Madeira”, que se publicou na Região entre 1953 e 1977. A colecção estava à guarda dos familiares do Dr. Agostinho Cardoso, proprietário e director do referido jornal, refere uma nota.

Foi oferecida uma colecção encadernada completa e uma parcialmente encadernada e diversos jornais dos últimos anos do dito semanário. Agostinho Cardoso era proprietário e director do jornal, que vem agora enriquecer o espólio documental do Museu.

“Voz da Madeira” foi um jornal semanário com grande dinâmica editorial e projecção regional, dirigido numa primeira fase pelo Dr. Horácio Bento de Gouveia e posteriormente pelo Dr. Agostinho Cardoso, salienta o Museu de Imprensa.

Trata-se de um jornal da época, próximo do regime de então e repositório histórico da vida sociopolítica madeirense. Graficamente apresentava-se como uma publicação bem desenhada, na qual sobressaía o regular recurso à publicação de fotografias para acompanhar os textos informativos. A oferta inclui jornais desde 28 de Maio de 1953 até 29 de Novembro de 1977.

No pós-25 de Abril, nomeadamente entre 1975-77, o semanário assumiu-se com jornal desportivo e contou com a colaboração dos jornalistas Carlos Gomes Aguiar, Juvenal Xavier, José Luís Cabrita, Luís Filipe Malheiro, João Godim e João Bernardino de Freitas.

O Museu de Imprensa – Madeira, é propriedade da Câmara Municipal de Câmara de Lobos, reúne cerca oitenta máquinas e um considerável património histórico tipográfico e outro associado à área da Comunicação, todo ele recolhido na ilha da Madeira. A sua missão é mostrar, inventariar e recuperar o património da indústria gráfica e da imprensa da Região Autónoma da Madeira na perspectiva da valorização da história da imprensa e das artes gráficas na Madeira.

Com a oferta de “Voz da Madeira”, o museu reforça o seu património a sua colecção de periódicos bem como a sua dimensão cultural e educativa. Após a digitalização, a colecção, poderá ser consultada pelo público.