Parlamento madeirense comemora 46 anos

Este ano, o Dia da Assembleia Legislativa da Madeira é assinalado com um vasto programa, que começa de manhã e se prolonga pela noite da próxima terça-feira, 19 de julho.

As cerimónias começam com uma Sessão Solene Comemorativa, pelas 10 horas, que junta em plenário todos os deputados madeirenses, e onde os grupos parlamentares do PSD, do PS, do CDS-PP, do JPP, o deputado único do PCP, e o Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira usarão da palavra.

Depois da sua instituição, e pelo segundo ano consecutivo, o Parlamento madeirense atribui o Prémio Emanuel Rodrigues, criado para distinguir cidadãos ou conjuntos de cidadãos que, a título individual ou coletivo, tenham efetuado trabalhos no âmbito académico, literário, histórico, científico, artístico e jornalístico ou outros, que valorizem e relevem a importância da Autonomia e da identidade regional. No ano passado, a distinção foi atribuída a Alberto João Jardim «figura, absolutamente incontornável na história da Região Autónoma da Madeira, na construção da Autonomia e o seu respetivo reflexo na nossa identidade regional», referiu, na altura, o júri. O antigo governante agradeceu a distinção e doou o Prémio de 5.000 euros ao grupo «Dançando com a Diferença”».

A cerimónia de atribuição do Prémio Emanuel Rodrigues, deste ano, está agendada para as 11 da manhã.

Uma hora mais tarde, pelas 12 horas, acontece a inauguração do centro de estudos IDEIA – Investigação e Divulgação de Estudos e Informação sobre a Autonomia. Trata-se de uma área funcional, da Presidência da Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, dedicada ao aprofundamento e intercâmbio do conhecimento sobre Autonomia regional, que pretende contribuir para a acessibilidade e valorização da cultura autonómica. O IDEIA, sediado no edifício anexo à sede do Parlamento madeirense, é coordenado pelo historiador e investigador Marcelino de Castro, um madeirense que tem dedicado muito do seu tempo à historiografia regional e ao sentir e ser madeirense.

O dia que assinala os 46 anos da Assembleia Legislativa da Madeira termina em festa e com um tributo aos «Grandes Músicos Madeirenses». Trata-se de um concerto aberto ao público, produzido por Paulo Ferraz, e que acontece no largo da capela de Santo António da Mouraria, junto ao Parlamento madeirense.

O espetáculo, agendado para as 21h45, vai recordar o Conjunto Académico João Paulo, Sérgio Borges, Tony Amaral, Max, Luís Filipe Aguiar, Gabriel Cardoso, João Luís Mendonça e o Conjunto Zenith. É transmitido em direto, pela RTP Madeira, para que possa também ser apreciado por todos os madeirenses no conforto dos seus lares.

O Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira lembra que, para além da descontinuidade geográfica e da aspiração de mais desenvolvimento económico, a «cultura é, também, um dos fundamentos da Autonomia». José Manuel Rodrigues vinca que a Madeira e o Porto Santo têm identidades culturais muito próprias, distintas do restante território continental e açoriano. «É dever do Parlamento contribuir para o reforço dessa identidade cultural, porque assim está a contribuir para o reforço da própria Autonomia», disse.