Exposição «Arquivista IA: Antologia de Franciscos Francos» acolheu 808 visitantes

Foto: Leonor Silva/CMF

A exposição de Nestor Pestana, apelidada de “Arquivista IA: Antologia de Franciscos Francos”, com o apoio da Câmara Municipal do Funchal, recebeu entre os dias 15 de março e 15 de junho, 808 visitantes, no Museu Henrique e Francisco Franco. A exposição consistiu numa instalação multimídia, com o objetivo de explorar a relação entre as lacunas no conhecimento histórico e as tecnologias de inteligência artificial, através de cinco narrativas ficcionais. Cada narrativa, escrita por Nestor Pestana, em cooperação com a Inteligência Artificial GPT-3, foi complementada por uma impressão fotográfica, produzida em Unreal Engine, e uma escultura. Estas esculturas, sendo que algumas incorporavam sons e animações, foram criadas através de programas de impressão 3D, modelação 3D e tecnologias de fresagem CNC, a partir de materiais como o ferro, a fibra de vidro, o gesso e a resina.

O ponto fulcral do Arquivista IA: Antologia de Franciscos Francos, foi as lacunas históricas na exposição de Boston de 1927, no qual o escultor madeirense Francisco Franco, participou com Picasso. Contudo, não existindo registos das obras expostas, da sua chegada a Boston e do seu contacto com Picasso, Nestor Pestana, em colaboração com a inteligência artificial GPT-3, preencheu estas lacunas com histórias alternadas, representando as distintas possibilidades do desenrolar deste momento.

Recordamos que, Nestor Pestana, luso-venezuelano, residente em Londres, Reino Unido, é um artista de multimídia e investigador na área do design de ficção. Para além disso, é licenciado em Design pela Universidade de Aveiro e mestre em Design Interactions pela Royal College of Art, em Londres. Ademais, Nestor Pestana leciona em universidades como University of Applied Arts Vienna, University of the Arts London (LCC) e a Royal College of Art. Através da sua prática artística, este artista desenvolve projetos de carácter investigativo, com enfoque nas tecnologias emergentes e nas suas relações com a natureza e o ser humano. Cada projeto compreende metodologias de worldbuilding e storytelling, utilizando objetos, esculturas, vídeos, instalações e projeções. Este artista tem exposto internacionalmente, com ênfase para: Museum of Lost and Found Potential – Londres 2019; Authentic Fictions – Dlab Gallery, Tóquio 2019; Plumial Space – London College of Fashion, Londres 2018; Night School on Anarres – Somerset House, Londres 2016; Economics of Uncertainty – Bienal de Veneza, Veneza 2014. Assim, o seu trabalho tem sido reconhecido e premiado pela Royal College of Art, Wellcome Trust e pela YouFab Global Creative Awards.