PCP aponta precariedade e baixos salários no sector hoteleiro

O PCP levou hoje a cabo uma acção de contacto com  a população para afirmar a necessidade de valorizar os trabalhadores do sector da hotelaria e similares e os seus salários, assim como combater a precariedade e os horários desregulados do sector.

Ricardo Lume afirmou que os comunistas consideram que não só é possível como necessário combater a precariedade laboral, valorizar salários, assim como garantir horários de trabalho que sejam compatíveis com a vida pessoal dos trabalhadores do sector da hotelaria e similares.

“Ao longo dos últimos meses são várias as notícias que apontam para o crescimento da actividade turística na Região, o próprio Secretário Regional do Turismo e Cultura afirma que este é o melhor ano para o sector dos últimos 200 anos, os dados mais recentes apontam para um crescimento na ordem dos 30% em relação a 2019. Também ouvimos alguns empresários afirmar que faltam trabalhadores no sector da hotelaria”, apontou o deputado do PCP.

“Se de facto existe necessidade de trabalhadores no sector porque razão que grande parte dos trabalhadores com vínculo precário não veem o seu contrato de trabalho renovado?”, indagou.

E acrescentou: “Se faltam trabalhadores no sector porque razão as novas admissões são feitas com base em contratos a termo?”

O PCP continua a denunciar a precariedade laboral no sector e os horários desregulados e repartidos que muitas vezes são incompatíveis com a vida familiar e social, e bem assim os baixos salários principalmente para os trabalhadores precários que desempenham funções fundamentais ao funcionamento  das unidades hoteleiras ou similares, mas que estão em regime de “outsourcing”.