CDS mobilizado para o Congresso

Foto: DR

No seguimento dos encontros que está a realizar em toda a ilha com os militantes do CDS, Rui Barreto esteve, ontem, no concelho de Santa Cruz, para apresentar a Moção de Estratégia Global intitulada “A Direita da Madeira”, que levará ao XVIII Congresso Regional do partido, nos próximos dias 25 e 26 de junho.

“É assim que o CDS se deve afirmar, como um partido da direita, da Madeira, autonomista. Um partido de uma direita segura, moderada e responsável. Um partido competente no exercício das suas funções e que é, hoje, o garante da estabilidade política na Madeira”, afirma o recandidato à liderança do partido.

Ao longo destas semanas, nestes encontros, acrescentou Rui Barreto, “senti o partido mobilizado e tenho recebido contributos para a Moção que entregarei ainda esta semana. Sinto o partido entusiasmado e este será, com certeza, um congresso com grande vivacidade, de grande mobilização, e uma demonstração que o CDS é um partido essencial para a democracia da Madeira.”

Na ocasião, o líder regional dos centristas lembrou, mais uma vez, a força e expressão que o CDS tem no poder local e regional. “Temos uma rede de 108 autarcas e somos um partido que está, pela primeira vez, no executivo da Câmara Municipal do Funchal. O CDS lidera o Município de Santana, lidera 5 Juntas de Freguesia, temos 2 Secretários Regionais, tem a presidência da Assembleia Legislativa da Madeira e é um partido que quer contribuir para o futuro da Região, com segurança, estabilidade e responsabilidade.”

De facto, realçou Barreto, “hoje sente-se um ambiente de confiança na Madeira, confiança no investimento, confiança no futuro porque há estabilidade e segurança para investir.”

Neste momento, tal como afirmou o candidato à liderança do CDS Madeira, “aquilo que eu quero é que, no futuro, o CDS possa consolidar-se como um partido estruturante no futuro da Região, interpretando sempre os desafios das novas gerações, mas, contando também, com aqueles que contribuíram para o desenvolvimento da Região Autónoma da Madeira no passado. Um partido intergeracional, interclassista, um partido democrata cristão, mas que é liberal na economia e que preserva as tradições e os costumes da nossa identidade enquanto Região Autónoma que somos.”

Rui Barreto aproveitou a ocasião para agradecer ao seu partido pela força que tem manifestado, pelo ânimo que tem demonstrado e pela mobilização que, certamente, se concretizará, nos próximos dias 25 e 26 de junho.

Conclui a sua intervenção com uma certeza, “o CDS pode contar com os madeirenses e os madeirenses podem contar com o CDS porque o CDS é um partido confiável à Madeira!”