Orquestra Clássica actua no sábado com Kátia Guerreiro

A Orquestra Clássica da Madeira vai actuar com a fadista Kátia Guerreiro, no tradicional Concerto da Festa da Flor, no dia 7 de Maio, pelas 17 horas, no Centro de Congressos da Madeira (Casino). Kátia Guerreiro interpretará com a OCM “um repertório baseado em belos poemas que nos falam sobre o mar, o amor, as flores, a saudade, um turbilhão de fortes emoções que nos transmitem vivências e sentimentos”, nas palavras de Norberto Gomes, director artístico da orquestra.

“Kátia Guerreiro, unanimemente reconhecida como uma das mais importantes fadistas do novo milénio é, acima de tudo, uma embaixadora do fado e de Portugal nos mais variados círculos culturais internacionais: em prestigiadas salas de todos os continentes e nos mais importantes festivais de músicas do mundo. Recebeu, em Portugal, a Ordem do Infante D. Henrique e, em França, o Grau Chevalier da Ordem das Artes e Letras. É considerada uma das mais importantes fadistas entre o final do século XX e o início do século XXI; e reconhecida como uma das mais notáveis representantes da cultura portuguesa no mundo e uma das mais brilhantes cantoras de sua geração. Os galardões e prémios que têm recebido ao longo de sua carreira são atribuídos em reconhecimento à sua inestimável contribuição para a difusão da cultura portuguesa e para a projeção de Portugal no mundo”, salienta a orquestra madeirense.

O maestro convidado neste concerto será Rui Pinheiro.

Os bilhetes custam entre 20€ e 5€ e estão disponíveis na Loja Gaudeamus no Colégio dos Jesuítas (junto à Câmara Municipal do Funchal), de segunda a sexta-feira no horário das 09h00-18h00, e no dia no Centro de Congressos da Madeira a partir das 15h00.

Rui Pinheiro é Maestro Titular da Orquestra Clássica do Sul desde Janeiro de 2015 e Director Artístico do FIMA – Festival Internacional de Música do Algarve desde 2017.

Em 2010 concluiu o Mestrado em Direcção de Orquestra no Royal College of Music de Londres onde estudou com Peter Stark e Robin O’Neill e fez preparação musical para os maestros Sir Roger Norrington, Esa-Pekka Salonen, Vladimir Jurowski, John Wilson entre outros. Trabalhou ainda com Jorma Panula e Colin Metters.

Ainda nesse ano foi nomeado Maestro Associado da Orquestra Sinfónica de Bournemouth, no Reino Unido (2010-2012). Anteriormente tinha já sido Maestro da Orquestra do Conservatório Nacional de Lisboa (2005 – 2008) e, em Londres, Director Musical do Ensemble Serse, companhia de ópera barroca em instrumentos de época, e fundador do Ensemble Disquiet, dedicado à divulgação da música contemporânea portuguesa (2008 – 2010).

Em Portugal trabalhou com as principais orquestras, nomeadamente Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Sinfónica do Porto – Casa da Música, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra Clássica da Madeira, e Filarmonia das Beiras, tendo-se apresentado em importantes salas e festivais como os ‘Dias da Música’ no CCB, ‘Festival ao Largo’, Prémio Jovens Músicos, entre outros.

No Reino Unido destacam-se concertos com a Orquestra da Ópera Nacional de Gales (com Julian Lloyd-Weber) no Festival Internacional de Fishguard (2012), concertos nos festivais Vienna – City of Dreams da Orquestra Philharmonia e nos BBC Proms-Plus em directo para a BBC – Radio 3 (2009-2010). Dirigiu também a Orquestra Sinfónica ‘Oltenia’ de Craiova e a Orquestra Filarmónica ‘Ion Dumitrescu’ (Roménia) e Ensemble KNM Berlim (Alemanha).

Após a sua estreia operática no Teatro Nacional de São Carlos, com A Filha do Regimento de Donizetti (2014), dirigiu em 2015 Los Diamantes de la Corona de Barbieri, produção do Teatro de Zarzuela de Madrid. Do seu repertório operático constam ainda produções de Didi e Eneias de Purcell, a estreia moderna de Il mondo della Luna de Avondano, A Flauta Mágica de Mozart e Rita de Donizetti. Dirigiu ainda produções de ballet com a Orquestra Clássica do Sul em parceria com a Companhia de Dança do Algarve (Matrioska – 2015) e com o Quorum Ballet (‘Lago dos Cisnes’ – 2017 e ‘Sagração da Primavera’ – 2019).

Entusiasta de música contemporânea, trabalhou com compositores como Kenneth Hesketh, Alison Kay, Augusta Read Thomas, Stephen MacNeff, Pedro Faria Gomes, Luís Soldado, Bruno Gil Soeiro, Luís Tinoco, Nuno Côrte-Real, Isabel Soveral, Clotilde Rosa, Álvaro Salazar, Cândido Lima entre outros, de quem dirigiu diversas estreias mundiais, nomeadamente a estreia da ópera 3 Mil Rios de Victor Gama com a Orquestra Gulbenkian e que repetiu em Bogotá (Colômbia). Dirige regularmente o GMCL – Grupo de Música Contemporânea de Lisboa.

Para além de ter gravado diversos concertos ao vivo para a RTP-2, RTP-Madeira, Antena-2 e BBC-Radio3 destacam-se os seguintes CD’s: Obras para Piano de Victor Macedo Pinto (Numérica), Retiro de Rodrigo Leão com a Orquestra e Coro Gulbenkian (Deutsche Gramaphone) e Obras de Filipe Pires com o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa (La Mà di Guido).

Anteriormente ao seu percurso como Maestro, Rui Pinheiro estabeleceu-se como pianista, tendo realizado os seus estudos musicais em Portugal (Licenciatura em Piano na ESMAE e Mestrado em Artes Musicais da Universidade Nova de Lisboa) e na Hungria (pós-graduação em Piano e Música de Câmara na Academia Ferenc Liszt de Budapeste). Entre outras instituições, leccionou na Escola de Música do Conservatório Nacional e na Academia Nacional Superior de Orquestra.