Sapadores do Funchal fizeram formação em salvamento com cargas pesadas

Hoje, Dia Internacional do Bombeiro, o vereador Bruno Pereira acompanhou os Bombeiros Sapadores do Funchal numa acção de formação “Curso de Elevação e Estabilização de Emergência de Cargas Heavy e Ultra Heavy Rescue” a decorrer nas instalações do Serviço Regional de Protecção Civil da Madeira, na Cancela, mais precisamente.

São os Bombeiros Sapadores do Funchal que, na Região, possuem as equipas especializadas, com capacidade de intervenção, na Região, em acidentes que impliquem levantamento de cargas pesadas, tendo, aliás, um veículo apropriado e equipado com ferramentas específicas para este tipo de actuação.

Este curso que está a decorrer, e que alia teoria e prática,  destina-se a duas turmas de 24 formandos, sendo 20 deles oriundos dos Bombeiros Sapadores do Funchal e quatro dos Bombeiros Voluntários Madeirenses, tendo ainda sido acompanhado por um elemento dos Bombeiros de Câmara de Lobos.

Após a conclusão desta acção de formação, iniciativa dos Bombeiros Sapadores do Funchal, esta corporação vai ficar dotada com 44 bombeiros com formação inicial em salvamento pesado, ultra pesado, levantamento e estabilização de cargas, isto para além do Comandante, que possui certificação internacional como formador, mormente, da Escola Nacional de Bombeiros e  da EFCB/SRPC de salvamento e desencarceramento e de técnico de desencarceramento ligeiro, médio, pesado e ultra-pesado, desobstrução e progressão em estruturas colapsadas, bem como em elevação e recuperação de aeronaves.

No local, o vereador com o pelouro da Protecção Civil Municipal e Bombeiros Sapadores do Funchal destacou a importância da formação.

“Esta é uma acção que tínhamos previsto para este ano e, com todo o interesse, a CMF fez esse investimento, sendo que não se limita à Corporação dos Bombeiros Sapadores do Funchal”, já que também foram convidados «elementos dos Bombeiros Voluntários Madeirenses, salientou.

Bruno Pereira disse ainda ser “uma valência” que a autarquia já aposta há vários anos,  tendo adquirido equipamento e dado formação nesse sentido, relembrando ainda que, “infelizmente”, existe “algum histórico, nos últimos anos”, de acidentes, na Região, que justificam a  necessidade deste tipo de equipamento e de formação.