Deputados do PSD-M criticam programa do governo central que não garante crescimento

Apesar de já ter sido aprovado na Assembleia da República, o Programa de Governo, para os próximos anos, não responde, segundo os deputados do PSD/Madeira eleitos ao parlamento nacional, “àquele que é o estado de estagnação em que o País se encontra e à sua incapacidade para crescer economicamente, criar riqueza e gerar emprego”, sendo, precisamente por isso, um Programa que fica “aquém das actuais necessidades”, segundo reza um comunicado de imprensa.

No mesmo dá-se conta desta contestação do deputado Sérgio Marques, feita hoje junto à Universidade da Madeira, um local que simboliza o futuro, um futuro que o Governo central coloca em causa ao negligenciar prioridades de crescimento e respectivas oportunidades para as novas gerações, acusam os social-democratas.

“Fomos ultrapassados pela Polónia e pela Hungria, estamos num processo continuado de queda para a cauda da Europa, já estamos em 21º lugar e temos poucos países atrás de nós, sendo este, em nosso entender, um caminho insustentável”, declarou. Neste cenário e sem quaisquer medidas que o revertam, Portugal não pode ter melhores salários, não pode ter melhores pensões, não pode ter melhores serviços públicos nem pode evitar o risco de pobreza, além de não baixar impostos, “isto quando sabemos que temos, actualmente, a maior carga fiscal de sempre, sem crescer e sem criar riqueza”.

“Sem coragem política, nós não vamos poder fazer as reformas estruturais que são necessárias para libertar todo o potencial de crescimento que existe no nosso País, nem tampouco baixar a grave fiscalidade, nomeadamente aquela que incide sobre as empresas – que criam emprego e geram riqueza – empresas que, actualmente, estão envolvidas num emaranhado de burocracia e de carga fiscal que as limitam e que não permitem que possam dar o seu melhor para o desenvolvimento económico e social de Portugal”, sentenciou.