Atuneiros da RAM preparam-se para a faina

A frota de atuneiros da Madeira está preparada para iniciar a captura do atum, dando assim início à nova época da safra que começa oficialmente a 1 de Abril. Esta manhã, no porto de pesca do Caniçal, “o ambiente era igual ao de outros anos”, conforme é referido por quem trabalha há vários anos nas infraestruturas da lota e entreposto frigorífico, refere uma nota da Secretaria Regional do Mar e Pescas.

Durante a parte da manhã, pescadores e armadores afanavam-se nos habituais preparativos antes de ir para o mar. Depois de terem abastecido as embarcações de combustível e água, seguiram-se as provisões de mantimentos e roupas.

Segundo informações vinculadas pela Secretaria Regional de Mar e Pescas, o início da época do atum está a processar-se de “forma natural e como é habitual” nesta época do ano, com todas as infraestruturas operacionais e a capacidade de frio “dentro das perspectivas”.

Como sempre acontece, as embarcações ficam a aguardar no porto informações sobre a passagem ou não dos cardumes de atum, e só depois de fazerem a leitura das informações recebidas decidem se devem ou não zarpar do parto, em direção ao mar alto.

Dado que as embarcações de menor dimensão já se encontram na faina do atum rabilho e patudo, pescadores e armadores dos atuneiros aproveitam essa actividade para trocarem impressões sobre se há peixe em quantidade suficiente que justifique a saída para o mar.

A época da pesca do atum decorre entre Abril e Outubro. A frota do atum na Madeira envolve cerca de 30 atuneiros e 400 pescadores e armadores, a que se juntam outros 250 madeirenses que trabalham a bordo das embarcações registadas no Açores.

Depois da pandemia da Covid 19 e agora com as consequências económicas da invasão da Ucrânia pela Rússia, o Governo Regional tem implementado medidas financeiras para ajudar o sector, reza um comunicado da Secretaria.

Desde 2020 até ao final de 2021, o Executivo regional concedeu mais de 2 milhões de euros de apoios aos pescadores, armadores e apanhadores de lapas, incluindo a isenção do pagamento de taxas nas lotas e entrepostos e o abastecimento de gelo, verbas que foram suportadas exclusivamente pelo Orçamento da Região. Estas ajudas não contabilizam o apoio que o Governo Regional atribui todos os anos para a redução do preço dos combustíveis.

A Secretaria Regional de Mar e Pescas lembra que, em 2021, àqueles valores é preciso somar mais 2 670 018, 07 euros de apoios, no âmbito do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas e Aquicultura (FEAMPA)

Há cerca de uma semana, Portugal fez-se pela secretária de estado das Pescas, Teresa Coelho, na reunião do Conselho de Ministros da Agricultura e Pescas. Durante o Conselho, os ministros solicitaram a adopção de medidas europeias destinadas a mitigar os efeitos do aumento dos custos de produção e de exploração comercial no sector das pescas, aquicultura e indústria, provocados pela agressão da Rússia à Ucrânia.

Portugal apelou para que fossem adotadas medidas urgentes ao nível da União, tal como sucedeu aquando da crise dos combustíveis em 2008 e da crise provocada pela pandemia Covid-19. Medidas destinadas a evitar a imobilização das frotas de pesca e garantir o abastecimento da cadeia alimentar, compensando os armadores, pescadores e operadores pela perda de rendimentos e pelos custos adicionais que têm ocorrido.

Esta linha de actuação mereceu o apoio de 21 Estados-Membros. Em resposta, a Comissão garantiu que irá propor a autorização da utilização do mecanismo previsto no artigo 26.º do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos, Pescas e Aquicultura (FEAMPA), com efeitos retroactivos desde 24 de Fevereiro de 2022 e a vigorar até 31 de Dezembro de 2022.