PS-M denuncia desleixo na freguesia de São Martinho

O grupo do PS na Assembleia de Freguesia de São Martinho acusa a Junta de Freguesia de falta de cuidado pelos espaços públicos da localidade, considerando evidente o “abandono” a que a localidade tem sido votada nos últimos tempos.

Os socialistas constatam que nos jardins e passeios as ervas crescem de forma descontrolada, sem haver o cuidado de as retirar, seja em espaço urbano, como é o caso do Bairro da Nazaré e algumas zonas de vivendas, como também em zonas mais rurais, nomeadamente na Levada dos Piornais, havendo inclusivamente troços em que mal se consegue distinguir onde é a zona de passagem, afirmam.

Cátia Vieira Pestana, vogal do PS-M na Assembleia de Freguesia de São Martinho, garante que os moradores do Bairro da Nazaré têm demonstrado o seu descontentamento pelo abandono que sentem, quer por parte da Junta de Freguesia, quer da Câmara Municipal, já que, “no passado, além das pequenas manutenções diárias, eram efectuadas periodicamente grandes intervenções de fundo, mantendo este que é o grande bairro da Região nas melhores condições, nos espaços tutelados pela autarquia.”

Já no que concerne à Levada dos Piornais, a porta-voz socialista adverte:“Não podemos ter a mais emblemática levada da cidade, frequentada diariamente por muitos turistas, pelos seus moradores e por muitos outros cidadãos que ali fazem os seus exercícios diários, num estado de total abandono, não só pela quantidade de erva que não é cortada, como também pela existência de alguns troços onde se vê algum lixo acumulado”.

Cátia Vieira Pestana acrescenta que mesmo no que se refere à limpeza de arruamentos, como são os casos da Estrada Monumental e da Avenida Mário Soares, outrora varridas diariamente, nota-se um acumular de folhas e de lixo nos passeios, “perdendo estas assim o brio de outros tempos”, segundo reza o comunicado enviado às Redacções. No que diz respeito à manutenção da rede viária, são várias as ruas com buracos cada vez maiores, não havendo o cuidado de os tapar, como era prática num passado bem recente.

A socialista dá conta também que existem diversas pequenas obras, um pouco por toda a freguesia, que foram iniciadas e não concluídas.