92% dos espaços comerciais do Mercado dos Lavradores ocupados

A Câmara Municipal do Funchal (CMF) atribuiu o direito de exploração de mais cinco espaços comerciais no Mercado dos Lavradores. A assinatura dos contratos com os comerciantes realizou-se esta terça-feira, refere uma nota da autarquia.

A vice-presidente da CMF, Cristina Pedra, recorda, a respeito, que quando o executivo liderado por Pedro Calado tomou posse, 23 espaços estavam vazios, o que significava que 25% da área total disponível do comércio do mercado estava abandonada.

“Neste momento e em apenas cinco meses, após termos tomado posse,  atingimos a ocupação de 92% da área de comerciantes do mercado”, anunciou, sublinhando que “o mercado passa a ter agora 83 espaços abertos e em funcionamento.”

Foram já assinados 15 contratos de  exploração de novos espaços, restando seis por ocupar, já que dois estão em fase de formalização.

Cristina Pedra considera que isto vem dar uma  “nova dinâmica” no mercado a juntar ao projecto de re requalificação, cujas obras já se iniciaram.

A vice-presidente da autarquia do Funchal informou que os preços de todas as lojas “são acessíveis” com uma média de 297 euros por mês. A loja mais barata terá uma renda de 126 euros e a mais cara de 590 euros.

“Não é compaginável com rendas milionárias. Prometemos que não iriamos permitir situações dessas em que meses depois os próprios comerciantes teriam que fechar a porta”, declarou.