MPT diz que não basta chamar “universitário” ao novo hospital

O MPT-Madeira veio comentar declarações do presidente do Governo Regional da Madeira, de que o novo hospital “deverá ostentar a denominação de Universitário”.

Este partido considera que não basta ser nomeado para o ser: tem de existir espaço físico programado (que tanto quanto se sabe não foi planeado) e formação universitária a ser leccionada para que o novo espaço se possa considerar Universitário.

O MPT considera que os problemas do serviço regional de saúde seriam debelados com a entrada no activo de mais médicos em regime de exclusividade, refere, por este partido, Valter Rodrigues, coordenador regional do mesmo. Por forma a atingir este objectivo, sugere que exista formação em medicina incluindo especialidades no Hospital que está a ser construído.

As especialidades seriam ensinadas em diferentes locais, parte aqui na Região e parte fora, para que os futuros médicos especialistas apreciem in loco casos mais variados e incomuns.

Os médicos que se especializassem aqui na Região teriam de assumir o compromisso de honra de exercerem a prática de medicina no SESARAM desde que o respectivo serviço tivesse necessidade.

“Com a entrada de mais médicos em regime de exclusividade e com o novo hospital, seria possível diminuir a lista de espera que tanto atormenta muitos dos nossos conterrâneos”, diz Valter Rodrigues.