“Bloco de Esquerda-Madeira leva projecto do caminho das Ginjas ao Parlamento Europeu

O Bloco de Esquerda-Madeira visitou ontem, 5 de Setembro, a zona dos Estanquinhos, nas Ginjas, concelho de S. Vicente, numa iniciativa que contou com a presença da coordenadora regional do partido, Dina Letra, e com o eurodeputado do Bloco de Esquerda, José Gusmão.

“Como sabemos a floresta Laurissilva é Património Mundial Natural da Humanidade atribuída pela UNESCO em 1999 e integra a Rede Natura 2000, que o Governo Regional da Madeira se comprometeu a preservar nos convénios assinados, e aqui reside um importante património de milhões de anos de fauna e flora endémicos, que só existem na Madeira, com espécies protegidas e algumas inclusive em via de extinção. Nesta área de S. Vicente existem também 5 importantes bacias hidrográficas, e isto quer dizer que nasce aqui a principal fonte de abastecimento de água da Região, tanto para consumo humano como para a rega dos terrenos agrícolas”, referiu Dina Letra.

“Esta visita teve por objectivo dar a conhecer ao nosso eurodeputado no Parlamento Europeu, José Gusmão, o projecto de intervenção no caminho das Ginjas que está a ser preparado pelo Governo Regional da Madeira; alertar para o grave problema ambiental que está a acontecer nesta área de floresta Laurissilva, classificada Património Natural da Humanidade pela UNESCO, bem como dar a conhecer todo o negócio que se perspectiva vir a acontecer neste importantíssimo local de biodiversidade e de reserva natural”, acrescentou.

“Pretendemos, deste modo, termos mais uma voz junto dos organismos internacionais que os alerte para este grave atentado ambiental que o Governo Regional insiste em fazer avançar, sem qualquer respeito pela biodiversidade que tem o dever de preservar e pelos compromissos que assumiu, e, paradoxalmente recorrendo a apoios comunitários para cometer este crime ambiental. A Madeira corre o risco irreparável de perder a classificação dada pela UNESCO, e o Governo Regional deve ser responsabilizado por todas as consequências que possam daí advir”, referiu ainda.

O eurodeputado José Gusmão destacou que “a intervenção que está a ser preparada na estrada das Ginjas, na floresta Laurissilva, é mais um exemplo de como o negócio é uma ameaça permanente a alguns dos elementos mais ricos do nosso património natural”.

“O pior é que esta intervenção está a ser promovida pelas entidades públicas, nomeadamente pelo Governo Regional, que deveriam estar precisamente a proteger este património, a valorizá-lo e a dá-lo a conhecer”, acrescentou.

O BE-M opõe-se a este projecto de asfaltagem e defende que esta floresta deve ser preservada de tamanha intervenção humana tão invasiva – a asfaltagem do caminho das Ginjas trará mais pressão sobre a floresta, mais poluição, potenciará a presença humana e consequentemente aumentará o risco de incêndios, sendo enorme o risco de perda da biodiversidade.

“Defendemos que a floresta deve ser alvo de uma maior aposta na investigação científica, potenciando o desenvolvimento de projectos de investigação num território que é único em todo o mundo”, remata.