Sem-abrigo proliferam no Funchal e motivam denúncias de guias turísticas

O Funchal Notícias tem recebido múltiplos alertas de profissionais do sector turístico, nomeadamente guias, alertando para o impacto negativo que o problema dos sem-abrigo, que se multiplicam na urbe, vem suscitando.

A denúncia mais recente dá conta da percepção, por estes profissionais, do “notório crescimento do número de pessoas sem abrigo neste último ano”. E aborda uma situação específica: no miradouro das Cruzes, um dos mais emblemáticos do Funchal e que, felizmente, ainda não tem nenhuma construção à frente, por enquanto, a roubar as históricas vistas da cidade, uma dupla de sem abrigo instalou-se no local há alguns meses.

“Começou por ter alguns sacos e cobertores num dos bancos do Miradouro.  Neste momento,  apenas um dos bancos está disponível e a apresentação do Miradouro em questão é deplorável.
Muito lixo, cartões e uma total desordem”, refere a guia em questão, devidamente identificada, que admite não saber se as pessoas em questão já foram contactadas pelas associações competentes,  mas que, contudo, “a situação está cada vez pior”.
“Tenho também visto imensos dejectos humanos no Parque Santa Catarina,  colegas que trabalham na zona do Lido deparam se com sem abrigo a dormir à porta dos estabelecimentos,  todos os dias vemos lixo e taças de comida pelo Jardim Municipal”…, lamenta esta profissional, que nos afirma  denunciar a situação na esperança que estas pessoas sejam contactadas e ajudadas pelas entidades competentes.