Jacinto Serrão promete reuniões mensais com as freguesias

A candidatura do PS à Câmara Municipal de Câmara de Lobos refere desejar promover a proximidade entre a autarquia e os cidadãos e “inverter o sentimento de abandono que as pessoas das freguesias mais afastadas do centro de decisão sentem”. Para isso, o programa de Jacinto Serrão prevê a deslocação mensal de um membro do executivo camarário às freguesias para reunir-se não só com a Junta de Freguesia como com a população local, refere o partido.

“Nas freguesias mais afastadas, como são os casos do Curral das Freiras, do Jardim da Serra e da Quinta Grande, queremos implementar o programa ‘O Município na Freguesia’, que consistirá na deslocação de um membro do executivo, uma vez por mês, às freguesias, para se reunir não só com o executivo da freguesia, mas também com os fregueses. Desta forma, será possível tomar o pulso aos problemas mais emergentes das freguesias e às preocupações das pessoas”, avançou o candidato do PS, esta manhã, em conferência de imprensa realizada no Curral das Freiras.

Jacinto Serrão quer que a administração pública esteja de mãos dadas com a cidadania e o espírito de comunidade. Por isso mesmo, o candidato propõe a existência de dois modelos de orçamento participativo no concelho: o primeiro aberto a propostas das pessoas do concelho, com um valor de 100 mil euros, e um orçamento participativo das escolas, com um valor de 10 mil euros, onde cada escola, através de equipas constituídas pela comunidade educativa, poderão propor intervenções nas escolas que considerem relevantes. O objectivo, disse, é que os estabelecimentos de ensino possam candidatar projectos que sejam financiados pelo orçamento municipal para ajudar a resolver alguns problemas do sistema educativo no concelho de Câmara de Lobos.

Na ocasião, instado a propósito, o candidato à presidência da edilidade camaralobense considerou ainda ser urgente a ligação directa entre o Curral das Freiras e a sede de concelho, afirmando que a mesma é essencial para promover a coesão social e territorial. Jacinto Serrão questionou por que razão foram gastos milhões de euros do erário público em investimentos públicos desnecessários e inúteis e não houve dinheiro para a construção destas infraestruturas essenciais para o desenvolvimento daquela freguesia.