Jacinto Serrão quer requalificação da frente-mar de Câmara de Lobos

O candidato Jacinto Serrão veio defender a requalificação de diversos espaços e equipamentos na frente-mar de Câmara de Lobos, de modo a possibilitar o usufruto dos mesmos pela população e, dessa forma, gerar mais dinâmica económica no concelho.

O candidato à presidência da Câmara Municipal de Câmara de Lobos esteve hoje junto ao litoral do concelho, apontando diversos problemas que carecem de intervenção, a começar pelo complexo balnear das Salinas, um valioso património local que “já sorveu milhões de euros ao erário público” e que actualmente está “completamente abandonado, sem utilidade pública” e vedado aos camaralobenses e visitantes.

Nas imediações do espaço, encontra-se igualmente abandonado e a carecer de requalificação o forno da cal, o qual constitui um enorme atractivo turístico e deveria ser intervencionado, de modo a ficar visitável. Também vedado ao público se encontra o parque de estacionamento, quando o concelho apresenta grandes dificuldades a este nível.

“Não se compreende como é que equipamentos desta natureza, que poderiam estar a dinamizar a economia e poderiam estar ao serviço da população de Câmara de Lobos, estão pura e simplesmente fechados e de costas voltadas para a população”, afirmou Jacinto Serrão, sublinhando que este património é comum e deve ser devolvido às pessoas, e não estar vedado às mesmas.

O candidato socialista defendeu também a necessidade de requalificar a praia do Vigário, a qual tem um grande potencial atractivo, não só para a população do concelho, como para visitantes e turistas, e “precisa desses investimentos para criar essas dinâmicas económicas e dar melhores condições de acesso” às pessoas.

Jacinto Serrão considera também importante requalificar a baía de Câmara de Lobos, investindo no varadouro e criando arrecadações para os pescadores poderem arrumar os materiais de pesca. Desta forma, acredita, seria possível dar “uma nova organização e uma nova atratividade à baía”, tornando mais fácil a vida dos pescadores, mas também tornando este espaço mais atrativo, de modo a chamar visitantes e “criar uma excelente dinâmica económica e proporcionar o desenvolvimento do concelho”. “São investimentos que tardam e não se compreende por que é que quem governa – a Câmara e o Governo Regional – está de costas voltadas para toda esta riqueza que o concelho de Câmara de Lobos tem para oferecer”, afirmou ainda.