Madeira já entrou na “lista verde” do Reino Unido

O governo britânico anunciou a entrada da Madeira na lista verde, situação que já foi comentada pelo secretário regional de Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, com satisfação: “Foi uma decisão ajustada à realidade regional e que vem reconhecer todo o trabalho em curso na afirmação da segurança do destino. Este anúncio do governo britânico em relação à Madeira vem colocar justiça naquilo que o Governo Regional entende que deveria ser tido em conta desde o princípio”.

O governante afirmou que foram efectuadas 15 diligências,” tendo havido o cuidado de informar dois Ministérios do governo britânico, o da Saúde e o dos Transportes e simultaneamente informámos também os embaixadores de Portugal no Reino Unido e do Reino Unido em Portugal. Reforçámos também junto da Secretária de Estado do Turismo e do Ministro dos Negócios Estrangeiros a quem foi solicitada integração da Região na lista de países e territórios considerados seguros do Reino Unido”.

Neste processo, houve também o cuidado de actualizar os operadores britânicos da situação epidemiológica nas Ilhas da Madeira e do Porto Santo, os quais foram também informados dos pedidos de intervenção do Governo Regional, com vista à correcção da decisão do governo britânico.

Para o secretário Regional, “ a Madeira já tinha e continua a ter todas as condições para ser considerada na lista verde, tanto mais que se afirmou como destino seguro,  desde a  operação de triagem no  aeroporto, ao processo de vacinação, à vacinação no sector do Turismo, a oferta dos testes, entre tantas outras medidas, tudo isso constituiu a aposta  determinada por parte da Região Autónoma da Madeira”.

Eduardo Jesus reforça outros dados relevantes nomeadamente um número reduzido de infectados e um número baixo diário de casos.  “O Rt é o mais baixo de Portugal (abaixo de 1); por outro lado e talvez de maior importância nesta decisão que dá razão à nossa Região, o facto da ligação da Madeira com o Reino Unido ser feita na sua maioria por voos directos, o que significa que não há a situação de contaminação em escalas que poderiam ser feitas em outros aeroportos. Os cidadãos britânicos chegam à Madeira sem efectuar qualquer outra paragem. Isto é importante porque se garantimos esta segurança aqui no destino, estamos, também, a garantir essa confiança aos passageiros”.

Em jeito de conclusão Eduardo Jesus refere que “foi uma luta árdua, um trabalho intenso, de dedicação permanente por parte do Governo Regional, mas que surtiu efeitos. Estamos por isso ansiosos para que a operação britânica seja retomada e com a força que tínhamos previsto”.