Brício Araújo aponta o dedo a Santa Cruz na juventude e educação

Pedro Coelho, José António Garcês e Pedro Santana Lopes, a par de Brício Araújo, foram os oradores ontem chamados a reflectir sobre as políticas locais de apoio à Juventude e Educação, num encontro que serviu para analisar a estratégia de crescente valorização dos mais jovens que tem vindo a ser seguida, com excelentes exemplos em Câmara de Lobos e São Vicente, exemplos esses que contrastam, directamente, com a realidade em Santa Cruz, acusa o PSD.

Dando seguimento ao Ciclo Formativo “Formar para Vencer”, a concelhia de Santa Cruz da JSD promoveu ontem a Conferência “Políticas Municipais de Apoio à Juventude e Educação”, contando com a participação dos supracitados.

Brício Araújo lamentou que, em Santa Cruz, a realidade seja verdadeiramente distinta das autarquias acima referidas.

“Falar dos jovens é falar do futuro, falar de emprego, habitação, ocupação profissional, realização e esperança e é isso que temos de recuperar em Santa Cruz, através de uma nova visão e de um projeto sério e envolvente, que traga novas oportunidades à juventude, fazendo-a ficar”, disse, a este propósito, o social-democrata, vincando que a escolha futura passará por optar “entre um projecto esgotado e um projeto mais arrojado que permita desenvolver o concelho de Santa Cruz à semelhança do que fez Pedro Santana Lopes na Figueira da Foz e em Lisboa e do que fazem Pedro Coelho e José António Garcês à frente dos destinos de Câmara de Lobos e São Vicente, respetivamente”.

Enquanto orador e prestando o seu contributo ao painel, Pedro Santana Lopes preferiu centrar a sua atenção no futuro e na forma como as autarquias terão de reagir aos novos desafios resultantes da pandemia, também na área da juventude, sublinhando que os Municípios deverão focar-se na investigação, estimular os interesses e as valências de cada concelho, criar bolsas de investigação e trabalhar novos projetos que suscitem a participação activa dos mais jovens.