CDS critica adiamento do pagamento das rendas da CMF

Hoje foi aprovada, em reunião de executivo da Câmara Municipal do Funchal, o diferimento (adiamento) do pagamento das rendas nos espaços concessionados pela autarquia durante o primeiro semestre deste ano, referiu a vereadora do CDS-PP na CMF, Ana Cristina Monteiro.

Porém, o CDS não concorda com esta solução que o executivo camarário encontrou para os comerciantes funchalenses. Uma vez esgotados os prazos desta moratória, já no próximo mês de Julho, os comerciantes terão de pagar, na totalidade, a renda do mês em curso, bem como a renda dos seis primeiros meses do ano (de Janeiro a Junho), refere-se.

“Esta não pode ser a solução para os nossos comerciantes, insistimos e somos favoráveis à isenção total das rendas nos espaços concessionados pela autarquia, algo que defendemos desde o início da pandemia”, diz Ana Cristina Monteiro.

“E temos a, mais uma vez, a lamentar que os comerciantes dos mercados municipais já poderiam ter beneficiado com a isenção das rendas dos meses de Outubro, Novembro e Dezembro, isenção essa, proposta pelo CDS, e que foi aprovada em Assembleia Municipal em Dezembro no ano passado, sendo que esta sim é uma medida benéfica para alívio dos comerciantes que, como sabemos, vivem tempos difíceis, fruto da crise económica provocada pela pandemia”, referem os centristas.

Os mesmos apontam que, “infelizmente, a proposta hoje apresentada pelo executivo, não exclui da moratória os meses que deveriam estar isentos, o que denota claramente que essa isenção, apesar de ter sido aprovada em Assembleia Municipal, pode não ser posta em prática pelo executivo camarário”.

A solução, hoje apresentada pelo presidente da câmara, é nada mais que um empurrar o problema para o futuro, não sendo uma prática solução para os comerciantes, considera o CDS-PP.