PCP quer garantir “protecção da saúde mental” em contexto de pandemia

O PCP entregou na Assembleia Legislativa da RAM, um Projecto de Resolução recomendando ao Governo Regional que garanta a  promoção da saúde mental em contexto Covid-19. “A saúde mental influência outros factores, desde logo a correcta utilização das nossas capacidades para resolver as adversidades do dia-a-dia”, referem os comunistas, que dizem ser unânime “que existem acontecimentos de vida que precipitam doença mental ou problemas psicológicos, tal como o stresse, a depressão ou a ansiedade”.

“É por isso natural e compreensível que no actual contexto da pandemia COVID-19 se intensifiquem e ampliem as referidas perturbações, revelando-se igualmente preocupante as pessoas que já tinham problemas deste tipo e que vão ter um impacto acrescido por força das circunstâncias”, refere uma nota.

Por causa disto, o PCP entende que é razoável admitir que a pandemia COVID-19 poderá comprometer a saúde mental, sendo necessário mitigar o impacto.

Para dar resposta a esta nova realidade, o PCP entregou na Assembleia Legislativa da Madeira  um Projecto de Resolução que delibera recomendar ao Governo Regional que:

  1. Promova um maior envolvimento dos cuidados de saúde primários na prevenção e tratamento das perturbações depressivas e do humor, através de uma consulta, em cada um dos centros de saúde, especificamente dedicada ao diagnóstico precoce;
  2. Dote adequadamente os cuidados de saúde primários em número de profissionais especialistas em saúde mental, nomeadamente de psicólogos e enfermeiros especialistas em saúde mental e psiquiatria, em particular nas regiões mais carenciadas;
  3. Envolva e defina o papel das unidades de cuidados na comunidade na promoção da saúde mental e prevenção da doença mental, através de uma melhor articulação com as restantes unidades funcionais e demais serviços locais de saúde mental;
  4. Promova nos cuidados de saúde primários uma consulta, em cada um dos centros de saúde, especificamente dedicada uma intervenção precoce na saúde mental da primeira infância e adolescência;
  5. Promova mecanismos de articulação entre as Equipas de Saúde Mental da Infância e Adolescência e os cuidados de saúde primários, em contexto escolar no âmbito da saúde escolar;
  6. Desenvolva  um plano específico de prevenção do suicídio reativo a crises económicas e sociais, criando apoios sociais que revertam a situação;
  7. Promova  iniciativas para eliminação do estigma e discriminação das pessoas com doença mental, por forma a integrá-las na comunidade.