Estepilha: a corrida às vacinas pôs a nu um verdadeiro país de idiotas…

Rui Marote
Estepilha, a expressão que se costuma usar é “fugir com o “rabo à seringa”, mas nos tempos que correm, todos querem a seringa no braço. Portugal anda nas bocas do Mundo. Já o poeta dizia “o fraco rei (governo) faz fraca a forte gente”. Abuso de poder, peculato, recebimento indevido e vantagem já era a nova “estirpe” que se alastrava a toda a velocidade em todos os cantos do país, entupindo os tribunais. Agora descobriu-se uma nova forma de favorecimento: arranjar vacina a familiares e conhecidos. O Ministério da Saúde anuncia inquéritos e auditorias. Mas se todos os culpados fossem castigados, passaríamos da falta de camas para os doentes Covid-19 à falta de cadeias para manter presa tanta gente desonesta. Mas não acreditamos nisso. Em Portugal a culpa morre sempre solteira.
Entretanto, o aparato da chegada das vacinas faz-nos lembrar as colunas militares nas picadas das antigas colónias ultramarinas, de olho atento contra as emboscadas. O pior é que, uma vez entregue a preciosa carga nos hospitais, a partir daí são “golpes de mão” uns atrás dos outros. Até na Pastelaria São Jorge, vizinha do INEM no Porto, houve vacinados. A isto seguiu-se uma IPSS de Farminhão, em Viseu, com 3 dirigentes e 4 colaboradores não prioritários, a Santa Casa da Misericórdia de Ovar com o cozinheiro e pessoal de secretaria, em Setúbal membros da Segurança Social até à limpeza, vacinação indevida em Valongo do Vouga, com a mãe de um padre e costureira vacinadas, e enfim, múltiplos elementos da direcção, pais de enfermeiras, membros da junta sem prioridade.
Em Évora numa policlínica deu-se o roubo de vacinas para familia e amigos, no Hospital do Tâmega destruição de 600 vacinas (foram para o lixo), a directora de farmácia demitida, etc. No Seixal há vereadores vacinados… E aqui vamos. E o comboio vai engrossar.
Há um clima de impunidade. O Ministério da saúde falhou, as pessoas que estão na linha da frente ainda não foram vacinadas. As demissões ja são às dezenas, sendo a mais recente a de Francisco Ramos, o coordenador da “task force” da vacinação.
Falhou!!! Falhou!!! A responsabilidade é do Ministério da Saúde, tenham coragem e assumam!!
Entretanto, na minha ilha e dentro das “prioridades”, Ireneu Barreto, José Manuel Rodrigues, Miguel Albuquerque e Pedro Ramos já têm a vacina. Estepilha; por este andar em breve as festas do Savoy poderão recomeçar, devidamente autorizadas, bem como a poncha da Serra de Água de pé ou sentada.
Entretanto vamos rezando para que as coisas se componham. Mas Deus, coitado, tem muito trabalho com o mundo inteiro. Não pode estar só em Portugal a cuidar de idiotas…